27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiComo combater o estresse térmico no bananal?

Como combater o estresse térmico no bananal?

Autor

Rodrigo Ariel Polizello Graduando em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) – rodrigo.polizello@estudante.ufla.br

Banana – Crédito: Shutterstock

O estresse térmico no bananal pode causar muitos prejuízos ao produtor. Visto isso, antes de implantar um bananal é necessário analisar as condições climáticas do local de plantio, pois, caso contrário, as variações do clima podem impedir as plantas de alcançarem o seu desenvolvimento potencial máximo.

A bananeira é uma cultura que se desenvolve bem em temperaturas médias anuais que variam entre 16 e 35°C, sendo a temperatura ótima para o desenvolvimento da planta em torno de 27ºC. Em temperatura de 34°C inicia-se o estresse térmico da bananeira, e quando atinge 38°C o seu crescimento é paralisado, devido, principalmente, à desidratação dos tecidos.

Por outro lado, em temperaturas abaixo de 16°C a emissão de folhas é paralisada (Robinson e Galán Saúco, 2010), além de diminuir a fotossíntese, danificar o sistema radicular e causar o amarelecimento das folhas.

Já em temperaturas abaixo de 15°C pode ocorrer um distúrbio fisiológico denominado chilling ou “friagem” (Marcolan et al., 2007), o que provoca diversos danos aos tecidos do fruto, principalmente o da casca, prejudicando o amadurecimento e, consequentemente, a qualidade para consumo.

Apesar de ser mais comum no campo, esse fenômeno também pode estar presente na pós-colheita, como no transporte dos cachos, na climatização ou logo após a banana adquirir a coloração amarela. De acordo com Borges et al., 2000, quando a temperatura de 18°C é atingida no campo por várias horas, também pode causar o chilling, com aparecimento dos sinais de coloração, geralmente, apenas 48h após a baixa temperatura. Ventos frios também provocam chilling.

Baixas temperaturas também provocam compactação da roseta foliar e o “engasgamento” da inflorescência. Esse fenômeno dificulta a saída do cacho e o mesmo fica deformado, inviabilizando a sua comercialização.

Há várias formas de prevenir o estresse por frio no bananal, por exemplo, evitar o plantio em áreas sujeitas a ventos frios, geadas e granizo e em áreas de grandes altitudes.

Solução

Como os ventos frios causam danos, a utilização de quebra-ventos pode ser muito útil. Além disso, o ensacamento do cacho pode proteger os frutos contra os ventos frios e proporcionar outros benefícios, como proteção contra poeira, insetos, pássaros e danos causados pela fricção das folhas com os frutos.

[rml_read_more]

Outra técnica importante que pode aumentar o conforto térmico no bananal é o aumento da densidade de plantio, pois essa técnica melhora a proteção contra o vento, diminui o excesso de radiação solar, melhora a refrigeração do bananal, reduz a evaporação de água do solo e aumenta a eficiência de uso da água, elevando assim a produtividade.

Também o sistema de irrigação de microaspersão permite maior refrigeração da planta e maior distribuição do sistema radicular, com mais raízes finas, relacionado à absorção de água e nutrientes, favorecendo o crescimento e o desenvolvimento da planta.

Além disso, na pós-colheita, o controle da temperatura dos frutos durante a aplicação de etileno, no transporte e armazenamento dos frutos, é extremamente importante. Em hipótese nenhuma a temperatura pode ser menor que 15ºC.

O combate ao estresse térmico do bananal se resume à escolha adequada do local de plantio, uso de quebra-ventos, aumento da densidade de plantio, irrigação por microaspersão e controle de temperatura na pós-colheita.

Na pós-colheita, por exemplo, Chen, et al. (2020) verificaram que o ácido salicílico aumentou a tolerância ao resfriamento em bananas que amadureceram normalmente abaixo de 15°C. Os autores verificaram que os frutos tratados com essa substância apresentaram várias mudanças fisiológicas, como metabolismo do açúcar e consumo de substâncias redutoras, para se adaptarem ao estresse pelo frio, e não houve lesão.

Se o produtor controlar bem o estresse térmico, terá maior produtividade e frutos de excelente qualidade, com consequente maior lucratividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Isla apresenta novidades na Hortitec

A Isla Sementes, uma das maiores empresas do setor do país, vai apresentar novidades na 22ª edição da Hortitec, que ocorre entre 17 e...

Estresse da ameixeira pode ser combatido com aminoácidos

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Substâncias húmicas na cultura da soja

A soja (Glycine max (L.) Merril) atualmente é a principal cultura agrícola cultivada no Brasil e ....

Fertilizantes à base de algas aumentam potencial produtivo de frutas e hortaliças

  Douglas José Marques Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano-UNIFENAS douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo da Universidade José...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!