21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosComo manejar as plantas daninhas?

Como manejar as plantas daninhas?

Autores

Laís Sousa ResendeEngenheira agrônoma, mestra e doutoranda em Fitotecnia – ESALQ/USPsialresende@gmail.com

Ademilson de Oliveira AlecrimEngenheiro agrônomo, mestre e doutor em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)ademilsonagronomia@gmail.com

Plantas daninhas _ Créditos: Laís Sousa Resende

Por definição, planta daninha é qualquer planta que ocorre onde não é desejada. Também são conhecidas como mato, erva daninha ou plantas invasoras. Essas plantas desenvolveram características para crescer e se desenvolver em condições desfavoráveis.

Como consequência, possuem atributos para assegurar a perpetuação da espécie, como a alta produção de sementes, a dormência e a germinação desuniforme. Tais fatores contribuem para que sejam agressivas e altamente competitivas com a cultura principal.

Dentre as diversas plantas daninhas nos sistemas agrícolas, na cultura do café é comum encontrar as seguintes: buva (Conyza spp.), capim amargoso (Digitaria insularis), trapoeraba (Commelina benghalensis), guanxuma (Sida spp.), caruru (Amaranthus spp.), tiririca (Cyperus spp.), corda-de-viola (Ipomoea spp.), melão-de-são-caetano (Momordica charantia), picão preto (Bidens pilosa), capim pé-de-galinha (Eleusine indica), losna-branca (Parthenium hysterophorus), dentre outras.

Prejuízos

A competição dessas plantas com o cafeeiro ocorre principalmente por água, luz e nutrientes. Além disso, as plantas daninhas também podem ser hospedeiras secundárias de pragas e doenças e dificultar operações como a aplicação de defensivos, a colheita e a varrição.

Outro fator é a redução da qualidade dos grãos devido à restrição de recursos essenciais para sua formação e também pela presença de impurezas. Sendo assim, o principal impacto negativo da ocorrência de plantas daninhas em cafezais é a redução da produtividade, da rentabilidade do produtor e do aumento dos custos de produção.

Apesar das plantas daninhas trazerem inúmeras desvantagens sobre a cultura do cafeeiro, em algumas situações podem ser benéficas. Isso pode ser explicado, pois durante o ciclo do café não é necessário manter toda a área limpa durante todo o ano, com exceção da região da projeção da copa (“saia”), que deve ser sempre livre de plantas daninhas, pois nessa área são feitas as adubações e é onde está a maioria das raízes do cafeeiro.

Com o manejo correto do mato, pode-se evitar a erosão, reduzir temperaturas excessivas do solo e aumentar a retenção de umidade. Outro ponto a ser considerado é que quando essas plantas são controladas por métodos manuais, mecânicos ou químicos, a cobertura morta sobre o solo, ao entrar em decomposição, pode incrementar os teores de matéria orgânica e de nutrientes.

Épocas de controle

O controle deve ser realizado quando essas plantas estão, de alguma forma, prejudicando a cultura principal. No caso do café, a interferência negativa está associada ao fato de as plantas daninhas ocorrerem durante o período de florescimento e frutificação, ou seja, na época em que o cafeeiro possui alta demanda dos recursos básicos do ambiente, como água e nutrientes para o “vingamento” da florada, expansão e granação dos frutos. Essa época, para o Sul de Minas Gerais, coincide com o período chuvoso do ano (outubro a março).

Para lavouras novas, da implantação até a idade de dois anos, o controle deverá ser rigoroso nas linhas de plantio, pois devido ao crescimento lento da cultura a competição das plantas invasoras com a cultura principal pode ser danosa. Isso se deve ao fato de a grande área do solo livre favorecer a infestação e o crescimento do mato.

Manejo preventivo

[rml_read_more]

O manejo preventivo é um dos mais importantes, pois tem a função de evitar a introdução, estabelecimento e/ou a disseminação de determinadas espécies de plantas daninhas em áreas ainda não infestadas por elas. Isso é feito por meio de práticas como a limpeza de máquinas e implementos que serão utilizados na área, aplicação de adubos orgânicos livres de sementes e aquisição de mudas livres de plantas daninhas.

Assim, é fundamental a realização da limpeza de colhedoras, pois durante a operação de colheita pode-se disseminar sementes de plantas daninhas entre os talhões ou entre propriedades, quando alugada, principalmente sementes da planta daninha conhecida como corda-de-viola (Ipomoea spp.).

Além dessas medidas citadas anteriormente, quando o cafeicultor realizar a aquisição de adubos orgânicos deve-se atentar para a pureza do material. Caso esse adubo tenha a presença de sementes de plantas daninhas, é ideal procurar outro fornecedor, realizar a compostagem do mesmo, quando possível, ou no caso de esterco de curral deixá-lo “curtir”.

Os cafeicultores que fazem uso da casca de café também devem evitar aplicar esse material caso observe a presença de sementes de plantas daninhas, como é o caso da corda-de-viola, facilmente encontrada nesse material. 

É importante também, durante a aquisição de mudas para implantação da lavoura, optar por mudas com alto vigor e sem presença de plantas invasoras.

Controle mecânico

O controle mecânico de plantas daninhas na cafeicultura é representado pelo arranquio manual durante a fase de viveiro. Após o transplante até dois anos pós-plantio, a capina manual é a atividade mais empregada, porém, apresenta algumas desvantagens, principalmente o baixo rendimento operacional.

Outra opção de controle mecânico é a roçada tratorizada ou costal na entrelinha e a capina manual na linha de plantio. Essa operação tem a vantagem de apresentar maior rendimento operacional, quando comparada apenas com a capina manual.

O cafeicultor também pode utilizar outros métodos de controle mecânico tracionados por trator, como uso de grades, cultivadores, enxadas rotativas, roça-carpa e trincha. Porém, esses métodos devem ser bem planejados, para que não ocorra problemas principalmente com erosão do solo e compactação.

Controle cultural

O controle cultural consiste no uso de boas práticas agrícolas visando favorecer o crescimento da cultura em detrimento das plantas daninhas. Esse método de controle engloba a adoção de práticas comuns, como: variação de espaçamento e população de plantas, plantas de cobertura, adubação adequada, correção do solo, irrigação, cultivar adaptada à região, dentre outras. 

O controle de plantas daninhas com o uso de plantas de cobertura está relacionado com a ocupação da área com outra espécie (cobertura verde), ou seja, competição por espaço, o que impede o estabelecimento de plantas daninhas na área.

Dentre as plantas utilizadas com essa finalidade destacam-se, principalmente: as crotalárias, guandu-anão e gigante, amendoim forrageiro, feijão-de-porco, mucuna-anã, tremoço branco, nabo forrageiro, capim-braquiária, capim-pé-de-galinha-gigante, milheto, trigo mourisco e o girassol. Essas plantas podem ser cultivadas individualmente na entrelinha ou em consórcio (mix).

No entanto, deve-se atentar para o correto manejo delas, mantendo uma faixa na linha livre do cultivo dessas plantas, pois podem exercer competição com o cafeeiro. Recomenda-se que seja mantido no limpo uma faixa de 100 cm de cada lado da linha do cafeeiro. Além disso, a roçada deve ser realizada quando aproximadamente 50% das plantas florescerem a fim de evitar que produzam sementes.

Controle físico

O controle físico de plantas daninhas em cafeeiros consiste no uso de técnicas que impliquem no impedimento físico ao crescimento/germinação das plantas daninhas. Práticas como a utilização de restos vegetais ou coberturas mortas são exemplos. A utilização de cobertura morta com restos vegetais de plantas de cobertura (palhada), ou mesmo a utilização de casca de café em cobertura são exemplos do controle físico. Além disso, o filme de polietileno (“mulching”) também se enquadra nesse tipo de controle.

Controle biológico

Nesse método utilizam-se agentes biológicos para controlar as plantas daninhas. Destaca-se, principalmente, a alelopatia, definida como a liberação de substâncias químicas por plantas, estejam elas vivas ou mortas.

Essas substâncias, especificamente nesse tipo de controle, podem prejudicar o desenvolvimento das plantas daninhas, bem como afetar a germinação de suas sementes. Geralmente esse método está atrelado ao controle físico e cultural.

Controle químico

O controle químico possui seu uso amplamente difundido em função das vantagens em relação aos demais métodos, como o menor custo, alta eficiência e facilidade de adoção. Esse método está associado principalmente por meio da utilização de herbicidas, visando o controle das plantas daninhas.

Estão registradas no Brasil mais de 180 marcas comerciais para a cultura do café. A maior parte dos herbicidas recomendados para a cultura não são seletivos para o cafeeiro, sendo aplicados na forma de jato dirigido nas entrelinhas do cafezal, destacando-se o glyphosate, 2,4-D, diuron, oxyfluorfen, carfentrazone, sulfentrazone, cletodim, metsulfuron, clorimuron, fluazifop-p-butyl, metribuzin, flumioxazin, amônio glufosinato, indaziflam, flumyzin, e algumas misturas.

Desses, os inibidores a ACCase, como o fluazifop-p-butyl e o cletodim, atuam exercendo o controle sobre plantas daninhas monocotiledôneas (“folha estreita”) e são seletivos ao cafeeiro. Os herbicidas inibidores da enzima ALS (clorimuron, metsulfuron, entre outros) também apresentam seletividade moderada ao cafeeiro e são eficientes no controle de plantas daninhas de dicotiledôneas (“folhas largas”). Os demais devem ser aplicados em forma de jato dirigido, de modo a não atingir o cafeeiro.

O uso inadequado, que pode selecionar plantas daninhas resistentes na área dificultando o controle e onerando os custos de produção. Assim, o ideal é realizar a rotação de mecanismos de ação dos herbicidas empregados no controle químico.

Manejo integrado

O manejo integrado de plantas daninhas é o ideal a ser adotado pelos cafeicultores, pois contempla a combinação dos métodos citados anteriormente, que podem condicionar a planta condições de maior e melhor produção, por manter o cafeeiro livre de competição, permitindo, assim, o aproveitamento eficiente dos recursos do meio.

Desse modo, se o cafeicultor adotar o manejo integrado de plantas daninhas com a correta utilização dos herbicidas e tomadas de decisões adequadas, certamente obterá êxito no manejo das plantas daninhas em sua lavoura e, consequentemente, maior lucratividade na atividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Corteva leva inovação ao Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas

Tecnologias como o Sistema Enlist® e o herbicida Paxeo® facilitam o dia a dia dos agricultores e promovem melhor manejo em suas lavouras.

Multitécnica comemora 25 anos de história

  Ao longo desta trajetória de 25 anos no agronegócio, a Multitécnica sempre acreditou na parceria entre a pesquisa e a indústria como forma de...

Tubetes – A ferramenta útil na produção de mudas de café

Maurício Dominguez Nasser Pesquisador científico da APTA Regional Alta Paulista mdnasser@apta.sp.gov.br Flávia Aparecida de Carvalho Mariano Nasser Engenheira agrônoma, doutora e pós-doutoranda em Horticultura " FCA/UNESP-...

Procafé reúne mais de 2 mil pessoas em Dias de Campo

Fundação apresentou resultados de pesquisas, teve a presença de lideranças femininas e debateu temas importantes da cafeicultura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!