16.4 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosCouve-flor de inverno: hora de planejar o plantio

Couve-flor de inverno: hora de planejar o plantio

Foto: Shutterstock

Carlos Antônio dos Santos
Engenheiro agrônomo e doutor em Fitotecnia/Produção Vegetal – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
carlosantoniods@ufrrj.br
Laura Carine Candido Diniz Cruz
Engenheira agrônoma e mestranda em Fitotecnia – UFRRJ
Margarida Goréte Ferreira do Carmo
Engenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJ

A couve-flor (Brassica oleracea var. botrytis) é uma planta exigente em fertilidade do solo, temperatura e em cuidados durante o ciclo, pontos estes que devem ser considerados para a correta implementação da lavoura visando a produção de inflorescências, ou “cabeças” de alta qualidade.

Com isso, é essencial a realização de planejamento criterioso e com bastante antecedência em relação ao plantio. Neste planejamento devem constar itens como escolha da área, avaliação de fertilidade e de necessidade de correção de acidez e da adubação de plantio, disponibilidade de água e métodos de irrigação, definição da época de plantio e, em paralelo, da(s) cultivare(s) que melhor se adeque(m) às condições climáticas previstas para o referido local e período.

Além destes itens, deve-se pensar também no preparo do solo e na produção das mudas.

Por onde começar

Para o planejamento da safra de inverno que se aproxima, devem ser priorizadas cultivares mais exigentes em frio para cultivos em regiões tipicamente mais frias e/ou em áreas de maior altitude.

Para regiões mais quentes, ou que não têm inverno rigoroso, também é possível produzir couve-flor no inverno, desde que se utilizem cultivares menos exigentes em frio, ou seja, de meia-estação ou de verão.

Ciclo

A couve-flor apresenta ciclo médio a curto e grande capacidade de extração de nutrientes, requerendo, assim, cuidados especiais quanto ao manejo da fertilidade do solo. Apresenta melhor desempenho em solos férteis, mais argilosos, de boa drenagem, profundos e com elevado teor de matéria orgânica.

Dentre os parâmetros de fertilidade recomendados para a couve-flor estão: pH próximo à neutralidade (pH=6,5), com alta saturação por bases (V =80%), e teores de cálcio (Ca) e magnésio (Mg) superiores a 3,0 cmolc dm-3.

Esta espécie também é pouco tolerante ao alumínio tóxico (Al3+), que pode comprometer o desenvolvimento das raízes e limitar a absorção de água e de nutrientes, prejudicando, assim, o desenvolvimento da planta.

Calagem

Como a maioria dos solos brasileiros não apresenta estas características, a calagem passa a ser uma grande aliada do produtor na melhoria destas condições de solo. O primeiro passo para a realização da calagem do solo é a coleta de amostras de solo da área e o envio para laboratório credenciado para identificação dos atributos de fertilidade.

Estas informações irão nortear a necessidade de calagem e, posteriormente, o manejo de adubação da cultura. O produtor necessitará de suporte técnico durante estas etapas.

Outro ponto que merece ser destacado é que a aplicação de calcário no solo requer um período mínimo de dois a três meses para a correta reação do corretivo no solo. Logo, é aconselhável que o produtor planeje o cultivo com antecedência.

Histórico da área

Além da fertilidade do solo, é importante também considerar o histórico de uso da área e evitar aqueles locais onde foram cultivadas a própria couve-flor e outras culturas da mesma família, como o repolho, brócolis ou couve de folhas, em anos anteriores. 

A rotação de culturas é essencial para reduzir a ocorrência de problemas fitossanitários, como exemplo a doença hérnia-das-crucíferas (Plasmodiophora brassicae).

Condições climáticas

Foto: Shutterstock

A couve-flor é uma espécie bienal, originária de clima temperado, que requer frio para fazer a passagem da etapa vegetativa para a reprodutiva, ou seja, para que ocorra a indução floral, e assim início de formação das inflorescências, ou cabeças.

O requerimento de frio para florescimento, porém, varia conforme a cultivar. A faixa ótima de produção de couve-flor é de 15 a 22 ºC, temperatura esta que permite a produção das cultivares de inverno.

Estas cultivares podem não produzir inflorescência quando submetidas a temperaturas acima de 25ºC. No entanto, temperaturas próximas a 0ºC causam injúrias por congelamento no ápice dos ramos e prejudicam a formação das inflorescências.

Inovações tecnológicas

A tendência crescente no cultivo da couve-flor é a substituição de variedades antigas e tradicionais por híbridos. Atualmente, tem sido possível o cultivo de couve-flor praticamente durante o ano todo em algumas regiões, graças ao desenvolvimento de híbridos precoces e mais tolerantes ao calor.

As cultivares disponíveis no mercado podem ser classificadas como de “inverno”, de “meia-estação” e de “verão”. Na escolha da cultivar, deve ser levadas em consideração as características climáticas da região e a época em que será realizado o cultivo.

Tendo em vista a sensibilidade e a dependência da couve-flor em relação à temperatura, em regiões onde não existem informações sobre a cultura é prudente a realização de ensaios prévios com diferentes opções de cultivares e épocas de plantio.

A escolha de cultivar(es) mais adaptada(s) às condições locais é essencial para o sucesso no empreendimento. Atualmente, estão disponíveis no mercado cultivares de inverno com boa adaptabilidade, uniformidade e qualidade das inflorescências produzidas.

Próximos passos

A partir da escolha da cultivar mais adequada, faz-se necessário a aquisição das sementes e produção das mudas, que podem ser feitas por viveiristas locais. As mudas de couve-flor são usualmente produzidas em bandejas sanitizadas, de isopor ou plástico rígido e com 128 ou 200 células, preenchidas com substrato de boa procedência.

A qualidade das mudas de couve-flor pode ser percebida pelo vigor, uniformidade, tamanho – duas a quatro folhas definitivas. Devem apresentar posição ereta e estarem sadias, ou seja, sem lesões foliares, amarelecimento ou outras deformidades.

Além disso, o sistema radicular deve estar íntegro no substrato e sem nenhum tipo de podridão ou anomalia.

As mudas devem ser transplantadas diretamente para as covas ou sulcos, previamente adubados, e observando o espaçamento de 0,8 a 1,0 m entre linhas e 0,4 a 0,5 m entre plantas. O espaçamento pode variar conforme a cultivar e com as condições locais.

Por exemplo, plantas das cultivares de inverno são mais tardias, em média 120 dias e, consequentemente produzem inflorescências (cabeças) maiores que as cultivares de meia estação e de verão.  

Adubação

O manejo da adubação na couve-flor deve ser feito com base nos resultados da análise de fertilidade do solo. Nessa etapa, o produtor necessitará de auxílio de profissional técnico habilitado.

O fósforo (P) é aplicado todo na adubação de plantio, enquanto N e K são parcelados na adubação de plantio e em cobertura. A couve-flor é uma planta responsiva à adubação orgânica, podendo ser utilizados materiais orgânicos estabilizados e de boa qualidade, substituindo integralmente ou parcialmente os adubos minerais.

Outro cuidado a ser destacado é a adubação com micronutrientes. O adequado suprimento de boro (B) e molibdênio (Mo) previne anomalias fisiológicas e o apodrecimento das inflorescências.

Irrigação

No manejo da couve-flor de inverno, alguns cuidados devem ser tomados, como o adequado suprimento de água via irrigação, visto ser essa época de menor precipitação na maioria das regiões.

A irrigação por gotejamento é o sistema mais eficiente de uso da água, no entanto, pode apresentar investimentos mais elevados, quando comparados ao sistema por aspersão.

Invasoras

O controle de plantas invasoras deve ser priorizado nas primeiras semanas após o transplantio, pois é o período crítico da planta para o seu pleno crescimento. Já o controle de pragas e doenças deve ser feito de forma preventiva.

Em caso de falhas, existem alguns produtos químicos registrado no MAPA para a cultura que devem ser usados com critério e observação das recomendações técnicas.

Colheita

A colheita deve ser realizada nos horários mais frescos do dia, quando as cabeças estiverem compactas, com botões florais unidos. Ao colher, deve-se cortar o colo da planta, deixando algumas folhas externas.

A manutenção das folhas envoltas à cabeça da couve-flor é importante para facilitar o transporte e evitar a ocorrência de injúrias durante esta etapa.

O transporte e armazenamento em temperaturas próximas a 5ºC reduz a taxa respiratória e perda de água e, consequentemente, aumenta a sua durabilidade. A utilização de embalagens em filme plástico também tem sido considerada em algumas redes de supermercados para o aumento da longevidade pós-colheita da couve-flor.

Custo da produção

Informações divulgadas pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (EMATER-DF) revelam que os custos de produção de couve-flor irrigada por aspersão, no primeiro semestre de 2022, apresentou custo total de produção de R$ 39.971,83 por hectare, considerando-se 23.000 plantas por hectare, com perdas médias estimadas de 20%.

Já na couve-flor irrigada por gotejamento, o custo de produção foi de R$ 40. 046,53 por hectare, considerando-se 21.600 plantas por hectare, com perdas médias estimadas de 20%.

Estes custos, no entanto, podem variar em função do nível tecnológico adotado pelos produtores e as particularidades das diferentes áreas de produção.

Condições no inverno

O cultivo de couve-flor no inverno é facilitado devido às condições climáticas serem favoráveis à maior parte das cultivares disponíveis no mercado. No entanto, o êxito no empreendimento depende da escolha de materiais adaptados às condições locais, correto manejo da fertilidade do solo e da cultura.

A produção e o consumo de couve-flor têm se expandido no Brasil nos últimos anos, demonstrando ser uma hortaliça interessante e com mercado aquecido, em função do aumento da demanda por alimentos saudáveis. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Cenoura: Oferta limita marca o ano

Não foram esperadas grandes mudanças no mercado de cenoura em 2021, uma vez que a ...

5 dicas de manejo que auxiliam na produtividade do hortifrúti

Veja os principais cuidados durante a florada, fase em que se determina a quantidade de frutos que serão gerados pela planta   A florada é a...

Milho-doce orgânico – Sabor e lucratividade acentuados

Lucas Luís Faustino Doutorando em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) lucasfaustino1987@yahoo.com.br   O milho-doce é um produto de alto valor nutritivo e...

Fertilizante com ação bioestimulante é nova estratégia em HF

Rodrigo TakashiMarukiMiyake Engenheiro agrônomo e doutor em produção vegetal William Hiroshi SuekaneTakata Biólogo e doutor em Horticultura takata@unoeste.br Está disponível para o setor de hortaliças e frutas um fertilizante...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!