28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosCresce produção brasileira de alho

Cresce produção brasileira de alho

A produção brasileira de alho registra crescimento significativo nos últimos anos.

Jurandi Teodoro Gugel
Engenheiro agrônomo e analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural – Epagri/Cepa
jurandigugel@epagri.sc.gov.br
Leandro Hahn
Engenheiro agrônomo, doutor e pesquisador – Epagri/Estação Experimental de Caçador – SC
leandrohahn@epagri.sc.gov.br

Em 2022, a quantidade de alho importado pelo Brasil teve nova redução comparativamente aos anos anteriores. O volume foi o menor dos últimos quatro anos. Contribuíram para isso o aumento da produção nacional, a conjuntura mundial, que ainda não recuperou as posições do mercado anteriores à pandemia, o que elevou o custo do frete internacional e, por fim, o câmbio favorável com o real desvalorizado em relação ao dólar.

Foto: Marco Lucini

 Este último fator tornou o produto nacional mais competitivo no mercado interno. Segundo dados do SISCOMX, do Ministério da Economia, em 2022 o Brasil importou 119,59 mil toneladas, equivalente a pouco mais de 996 mil caixas de 10 kg/mês, redução de 5,09% em relação a 2021.

O comportamento das importações foi semelhante ao ano anterior, e apenas nos meses de março, agosto, novembro e dezembro o volume importado foi superior ao mês correspondente do ano anterior e fechando o ano, novamente, com o menor volume importado da hortaliça desde 2006 (SISCOMEX).

Importações

Em 2022, a Argentina foi o país que forneceu o maior volume de alho ao Brasil, com pouco mais de 87 mil toneladas, significando 73,03% do total importado.

Em segundo lugar, a China, com 22,40 mil toneladas, contribui com 18,72%. Os dois países totalizaram mais de 91,75% do alho importado pelo Brasil no ano. O valor da importação superou os US$ 143 milhões no ano.

Em relação ao preço médio (FOB), houve recuperação no preço internacional, quando comparado ao ano anterior, passando de US$ 1,08/kg para US$ 1,2/kg, aumento de 11,11%. Dessa forma, a manutenção da taxa antidumping ao alho chinês colaborou significativamente para que a produção nacional se mantivesse competitiva e viável para os produtores brasileiros.

Tabela 1. Principais países fornecedores de alho para o Brasil em 2022.

PaísesValor FOB (US$ mil)Volume (t)Valor médio FOB (US$/kg)
Argentina110.101,5087.392,401,3
China21.363,2722.401,61,0
Chile5.953,763.604,01,7
Espanha4.872,824.818,31,0
Egito1.316,481.326,01,0
Peru113,2798,61,1
EUA52,8024,02,2
Total143.773,90119.665,01,2

Fonte: Comexstat/MDICS: janeiro/2023.

Consumo

Destaca-se no comportamento das importações que o volume internalizado cresce no final de cada ano e no primeiro semestre do ano seguinte, o que, no geral, dificulta a competitividade da produção da região sul do País.

De acordo com informações de mercado, a questão de logística para o comércio internacional, do pós-pandemia, ainda não normalizou, dessa forma, a expectativa é de que os custos para a importação de alho se mantenham em patamares elevados em benefício da produção nacional.

Embora no ano passado o Brasil tivesse o menor volume de importação de alho dos últimos tempos, nos meses de novembro e dezembro o volume importado foi superior aos mesmos meses do ano de 2021, puxado principalmente pela entrada de alho argentino.

Essa situação prejudica sobremaneira a produção do Sul do País. Para efeito comparativo, em dezembro de 2021 a cotação (FOB) foi de US$ 1,40/kg e em dezembro de 2022, a cotação passou para US$ 1,22/kg, redução de 12,85% no período.

Custo de produção e rentabilidade

Descrevemos o custo de produção e a rentabilidade do alho para as três principais regiões produtoras do Brasil – o Estado de Minas Gerais, baseado nos produtores da região de São Gotardo; Goiás, baseado nos produtores da região de Cristalina, e Santa Catarina e Rio Grande do Sul, tomando como base a região de Frei Rogério.

De acordo com os dados da Conab (2023), para a safra 2022, o custo de produção para São Gotardo, Cristalina e Frei Rogério foram de R$ 223 mil, R$ 200 mil e R$ 105 mil/ha, respectivamente.

Considerando uma produtividade de 16,5; 14,5 e 9,0 t/ha, respectivamente para São Gotardo, Cristalina e Frei Rogério, o custo de produção para uma caixa de alho de 10 kg foi de R$ 129,5; R$ 138,00 e R$ 116,80, respectivamente, para as três regiões.

Ainda que o custo de produção na região de São Gotardo tenha sido o mais elevado, a rentabilidade foi maior naquela região em comparação com Cristalina, devido à maior produtividade obtida na região.

Para os dois Estados do Sul, em relação à safra 2021, o aumento do custo de produção foi de cerca de 20%. O maior aumento do custo de produção de produção foi registrado para São Gotardo, quase 50%, e aumento intermediário para a região de Cristalina, 33%. O aumento no preço dos fertilizantes foi o item que mais impactou o custo de produção na última safra.

Para as três regiões produtoras de alho, os itens que mais impactam o custo são os bulbos para semente (cerca de 25%), a mão de obra (cerca de 20%) e os fertilizantes (cerca de 20%).

A rentabilidade da safra 2022 é considerada boa para o alho produzido na região do Centro-oeste. Pode-se considerar que a rentabilidade não foi tão positiva como na safra de 2021, principalmente pelo expressivo aumento do custo de produção e uma produtividade menor por conta do clima menos favorável.

Nos dois Estados do Sul, com o início da comercialização da safra no mês de janeiro de 2023, a perspectiva de rentabilidade até o momento não é muito otimista. Ainda que a produtividade e qualidade do alho na presente safra sejam maiores que da safra anterior, o significativo aumento do custo de produção e a competição do alho argentino importado num custo até acima do custo de produção do país vizinho têm derrubado os preços do alho.

A expectativa é que nos meses de março e abril os preços melhorem.

Perspectivas

Considerando a importância da cultura para Santa Catarina, bem como o que pode ser vislumbrado com a mudança de governo no Estado, a adequação à Portaria do Mapa n°435/2022 deve contribuir para a melhoria da competitividade da cultura no Estado.

Registramos as demandas pautadas pela cadeia produtiva via Câmara Técnica do Alho do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural, realizada em 15/12/2021, que sugerem:

  1. Maior rigor do Estado na fiscalização nas fronteiras, quando da entrada do produto importado, exigindo o cumprimento das normas do Mercosul;
  2. maior envolvimento da estrutura do Estado na construção e divulgação da Indicação Geográfica (IG) do alho-roxo do planalto catarinense;
  3. Melhorias e manutenção das estações meteorológicas da região produtora de alho;
  4. Apoio da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural (SAR) à pesquisa sobre a cultura, com financiamentos para a produção e a aquisição de sementes de qualidade superior e livres de vírus;
  5. Estruturação do programa de apoio à infraestrutura de produção das propriedades produtoras, especialmente na armazenagem de água para a irrigação. A pauta apresentada pela Câmara Setorial é o piso de um conjunto de iniciativas e ações que a cadeia produtiva espera para manter uma produção economicamente competitiva e viável no Estado.
ARTIGOS RELACIONADOS

Panorama nacional da produção de graviola

O agronegócio é um dos principais pilares da economia brasileira. Em 2019, o setor movimentou R$ 1,55 trilhão, na qual representa 21,4% do total do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Esalq/USP, realizada em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA, 2020)

Algas marinhas: Proteção contra doenças?

AutoresTais Santo Dadazio Engenheira agrônoma, mestra, doutora em Proteção de plantas e professora de Fitopatologia - FIB e Unisalesiano tais.dadazio@hotmail.com Roque de Carvalho Dias...

Atemoia – o cruzamento que deu certo

A atemoia pertence à família das anonáceas, e é um híbrido interespecífico ...

Produção de caju traz números positivos

Ao contrário de 2019, as chuvas no Ceará foram mais regulares em 2020, favorecendo ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!