Daninhas: Prejuízo de R$ 9 bilhões por ano

0
249

Autores

Vitor Muller Anunciato

Roque de Carvalho Diasroquediasagro@gmail.com

Leandro Bianchileandro_bianchii@hotmail.com

Engenheiros agrônomos, mestres e doutorandos em Proteção de Plantas – UNESP – Botucatu

Samara Moreira PerissatoEngenheira agrônoma, mestra e doutoranda em Agricultura – UNESP – Botucatusamaraperissato@gmail.com

Crédito: João Leonardo Fernandes

As plantas daninhas são um problema global e a resistência a herbicidas é crescente a cada ano. As perdas têm exigido maiores investimentos por parte dos agricultores para minimizar as perdas na lavoura. No Brasil, são 50 casos de resistência que envolvem 28 espécies e oito modos de ação.

Somente no cultivo de soja, o custo anual com uso de herbicidas é de R$ 4,2 bilhões. O impacto total das daninhas na cultura, levando em consideração também a matocompetição, chega a R$ 9 bilhões por ano.

O Brasil é um grande produtor e exportador de culturas em termos globais, com 77,8 milhões de ha (8,9% do território nacional) em 2018 e com o objetivo de obter 85,7 milhões de hectares em 2029, é uma das maiores potências agrícolas do mundo. A área plantada no Brasil representa 3,4% da área plantada global.

Batalha

A matocompeticao é comum e sempre vai existir, pois existem períodos em que a cultura tem a habilidade de competir com as plantas daninhas sem que ocorra prejuízo econômico – esse período é conhecido como período anterior à interferência, e se não manejado adequadamente as plantas daninhas podem inviabilizar a produção de soja.

Em um cenário em que os agricultores estão cada dia mais pressionados pelo mercado para conseguirem altas produtividades, o espaço para as plantas daninhas vem diminuindo, porém com um custo elevado.

Segundo uma pesquisa realizada pela Embrapa liderada pelo Dr. Fernando Adegas, o custo médio do controle de plantas daninhas não resistentes em 2017, utilizando-se duas aplicações de glyphosate pós-emergência e uma para dessecação, foi estimado em R$ 120,00 por hectare.

Em um cenário de infestação por azevém (L. multiflorum) resistente ao glyphosate, além do glyphosate, é necessário adicionar um graminicida (inibidor da ACCase), aumentando o custo médio para R$ 177,65/ha. Se a infestação é de buva (Erigeron sp.), o uso de um latifolicida, como o 2,4-D, se faz necessário, aumentando o custo médio para R$ 170,50/ha.

Em áreas infestadas por capim amargoso (D. insularis), uma planta daninha mais difícil de se controlar que o azevém requer o uso de graminicidas tanto na pós-emergência quanto na dessecação, e deve ser intercalada com herbicidas de contato, como o glufosinato, aumentando o custo médio de manejo para até R$ 318,35/ha.

No entanto, em cenários de infestação mista, o manejo da resistência a herbicidas é complicado, porque as opções de herbicidas são reduzidas. Por exemplo, infestações de buva e azevém requerem herbicidas seletivos para o cultivo durante a fase vegetativa da soja, sendo a flumioxazina e a trifluralina as principais opções, enquanto na dessecação devem ser exploradas outras opções para controle buva e azevém. O custo médio de controle, nesse cenário, pode chegar a R$ 197,55 /ha.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.