18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasDesafios fitossanitários no milho safrinha: manejo eficiente para alta produtividade

Desafios fitossanitários no milho safrinha: manejo eficiente para alta produtividade

Cenário é desafiador para produtores do cultivo em Mato Grosso devido à alta incidência de Cigarrinha-do-milho e Percevejo barriga-verde

Milho/Divulgação Ihara

Para garantir uma colheita bem-sucedida, os produtores de milho no Mato Grosso têm enfrentado uma série de desafios fitossanitários, que vão desde as adversidades climáticas às principais ameaças no campo, com forte incidência de Cigarrinha-do-milho e Percevejo barriga-verde na atual safra.

O fenômeno climático El Niño elevou a temperatura no Centro-Oeste do País, contribuindo para o aumento da presença da Cigarrinha-do-milho, sendo um dos principais problemas enfrentados no campo atualmente já que ela pode reduzir em mais de 70% a produção de grãos em plantas suscetíveis. Os agricultores mato-grossenses também estão preocupados com a migração do Percevejo barriga-verde das lavouras de soja para as plantações de milho segunda safra. Essa praga se beneficiou dos restos culturais, fazendo-os como abrigo para escapar da aplicação de defensivos. Isso dificultou o seu controle e, consequentemente, favoreceu a sua proliferação. No médio-norte do estado, alguns produtores estimam perdas de até 30% na produção dos milharais, com danos que podem chegar a mais de 500 quilos por hectare a cada inseto por m².

Segundo o agrônomo e gerente de Marketing Regional da IHARA, Roberto Rodrigues, essas ameaças da produtividade do milho segunda safra têm causado dor de cabeça aos agricultores, mesmo que ainda seja cedo para afirmar o tamanho do estrago nas lavouras, mas o prejuízo já é visível em relação aos custos da produção. “Diante desse cenário, é essencial que os produtores estejam preparados e adotem estratégias de manejo eficientes e sustentáveis para garantir a qualidade dos grãos. Além disso, devem estar atentos às perspectivas de mercado para maximizar a produtividade e a rentabilidade no campo”, comenta. 

Controle com inseticidas pode evitar prejuízos ainda mais significativos nas lavouras

Milho/Divulgação Ihara

O Brasil é um dos principais produtores de milho do mundo e para que o agricultor mantenha a alta produtividade no campo é necessário investir no manejo integrado de pragas, adotando o uso de inseticidas em pulverizações realizadas nos estágios de desenvolvimento da cultura. Esse tipo de controle ajuda a minimizar a ação da Cigarrinha-do-milho e Percevejo barriga-verde nos milharais, evitando danos ainda mais severos na produtividade.

De acordo com o pesquisador e professor Juliano Ricardo Farias, por ser a praga mais importante na cultura do milho, o Percevejo barriga-verde pode ocasionar uma devastação enorme, atingindo perdas de até 100% na lavoura caso não seja bem manejado. “Esse inseto é o que mais demanda investimento em controle já que o dano causado por ele é silencioso e menos visível quando comparado com outras pragas. Hoje, essa praga apresenta resistência em relação à maior parte dos inseticidas existentes no mercado. Então, os novos produtos e formulações, com certeza, auxiliam muito o produtor”, ressalta.

Nesse sentido, a IHARA, empresa especializada em tecnologia para proteção de cultivos, conta com o novo inseticida Terminus, lançado recentemente para o controle do Percevejo barriga-verde. Sua formulação inovadora potencializa o controle rápido e prolongado, além de ser flexível para o uso em todo o ciclo da cultura. E isso, aliado ao efeito de choque e elevado período de controle, coloca a lavoura no mais alto nível de controle de pragas.

Para o controle da Cigarrinha-do-milho e Percevejo barriga-verde, outro inseticida de ponta faz parte do portfólio da IHARA: Zeus, que apresenta ação translaminar e sistêmica, conferindo uma completa proteção das plantas contra essas pragas. Essa tecnologia age por contato e ingestão, levando os insetos à morte rapidamente. Também possui um efeito de choque e residual único, proporcionando alta eficácia nas lavouras. “A eficácia do Zeus no controle da Cigarrinha-do-milho, por exemplo, é impressionante quando comparada com testemunha, apresentando 61% de efetividade já no primeiro dia após a aplicação e de 57% após três dias da aplicação na lavoura”, finaliza Rodrigues.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

IHARA anuncia tecnologia para a cultura do arroz

Novo herbicida de alta seletividade, STRIKE traz controle eficiente de plantas daninhas no arrozeiro

Circuito Digital IHARA promove webinar sobre manejo de ferrugem na soja

O pesquisador da Fundação MS, Dr. Fernando Grigolli, será o convidado para discutir sobre esta e outras doenças de fim de ciclo nesta cultura

Caminhos da Maturação IHARA fará monitoramento de indicadores de qualidade da cana

IHARA anuncia programa gratuito de consultoria e testagem instantânea dos principais indicadores de maturação e qualidade da cana-de-açúcar

Maturadores na safra sucroalcooleira: impulsionando qualidade e rentabilidade

Desafios climáticos impactam diretamente no nível de açúcar do canavial, tornando o uso dessa tecnologia crucial para garantir a excelência da matéria-prima e maximizar o rendimento industrial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!