25.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosDicas sobre como identificar e prevenir problemas comuns na soja

Dicas sobre como identificar e prevenir problemas comuns na soja

Créditos Pixabay

Para quem cultiva soja, é comum enfrentar problemas como ferrugem asiática, nematoide de cisto e grande diversidade de climas e solos. Essas são situações que podem afetar a produção, gerando grandes prejuízos. De acordo com Marilize Oliveira, analista de pesquisa na TMG — Tropical Melhoramento & Genética — empresa brasileira de soluções genéticas de algodão, soja e milho –, há meios de identificar e prevenir alguns problemas para evitar perdas. 

A ferrugem asiática é provocada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi e é considerada um dos principais problemas enfrentados pelos produtores. “Os sintomas começam com o surgimento de pequenas lesões angulares formando urédias (estrutura de reprodução do patógeno) na parte abaixo da folha. Com o progresso da doença, as lesões ficam com coloração castanho-claro (lesão TAN) ou castanho-avermelhado (lesão RB – “reddish-brown”). O formato dessas lesões é delimitado pelas nervuras das folhas e podem ocorrer em qualquer estádio fenológico da cultura, sendo mais comum após o florescimento. A ferrugem asiática provoca amarelecimento foliar e a planta pode perder as folhas precocemente, o que reduz o número de vagens por planta e de grãos por vagem, além de que o grão gerado tem peso menor”, explica Marilize. 

LEIA TAMBÉM:

O nematoide de cisto da soja (NCS), Heterodera glycines, é um dos nematoides que vêm causando grandes prejuízos à cultura. “As perdas podem ficar entre 5% e 30% em locais com baixas infestações e chegar a 70% naqueles com maior incidência”, comenta a analista. Mais prevalente no Estado de Mato Grosso, principalmente em locais com solos arenosos ou médio-arenosos, o nematoide de cisto da soja é caracterizado por uma ligeira redução no porte da planta, mesmo em regiões com boa distribuição de chuvas e em solos de fertilidade naturalmente mais alta. “Em lavouras onde há uma grande área afetada, é comum ocorrer a morte prematura de plantas”, diz a analista.

Em regiões como o Estado do Pará, por exemplo, os desafios são ainda maiores e vão além do cisto da soja, que é comum na região. De acordo com João Menezes, gerente de conta na TMG, o volume de chuvas no Estado é muito grande e o produtor precisa contar com cultivares mais resistentes ao excesso de precipitações. “Há situações em que a lavoura já está em ponto de colheita, mas não é possível realizar esse processo devido ao grande volume de chuvas e ocorre a deterioração das plantas, gerando prejuízos. Por isso, o agricultor deve utilizar cultivares com boa tolerância a chuvas”, diz. Segundo ele, “a TMG 2383 aguenta esse tipo de clima, mantendo a qualidade do grão, além de alto teto produtivo e precocidade em relação a outras cultivares”.

No Pará, o plantio da soja tem início em dezembro e vai até fevereiro e há diferentes cenários de solo, clima e chuvas. Por conta da grande diversidade de condições para o plantio na região, as cultivares precisam ser de qualidade e apresentar estabilidade, pois ficam armazenadas por um período longo até ser entregues para o produtor iniciar o cultivo. “O processo de deterioração da semente é diferente para cada variedade, por isso é preciso apostar em cultivares com sementes que aguentam maior período de armazenamento sem perder seu vigor e germinação, mantendo sua capacidade produtiva, como a TMG 2383”, explica Menezes.

Para prevenir perdas, Marilize recomenda investir em cultivares desenvolvidas com tecnologias de melhoramento genético específico para cada condição, considerando-se também as condições de solo e clima de cada região. “O melhoramento genético tem um papel importante auxiliando o produtor a evitar prejuízos na produção”, complementa Marilize.

A TMG é referência no mercado brasileiro em cultivares desenvolvidas para evitar diversos problemas que afetam a plantação de soja, milho e algodão. Para prevenir a ferrugem asiática, a empresa tem cultivares com a tecnologia Inox®, cujo diferencial está na presença do gene de resistência à ferrugem nas cultivares, o que faz com que a planta tenha maiores condições de conviver com a doença no campo. Em relação ao nematoide de cisto da soja, a companhia conta com cultivares com ampla resistência a cisto em diversas condições de clima e solo. A técnica mais efetiva no manejo dos nematoides e menos onerosa ao produtor é o uso de cultivares resistentes, que limitam a reprodução dos nematoides. “O produtor precisa sempre estar atento ao manejo adequado de cada cultivar, seguindo as orientações de acordo com o tipo de solo, o clima e a umidade, além da continuidade no uso de fungicidas e rotação de cultura, diminuindo assim a quebra de resistência da cultivar e a seleção natural do patógeno. Esses cuidados, aliados à tecnologia, podem evitar perdas e assegurar bons resultados na produção”, finaliza Marilize.

ARTIGOS RELACIONADOS

Genética – Tomate italiano x doenças foliares

O tomate se destaca como uma das hortaliças mais apreciadas pelo brasileiro, sendo cultivado, principalmente, nos Estados das regiões sudeste e centro-oeste. Atualmente, tem se observado a busca dos consumidores por produtos diferenciados com maior valor agregado, como o tomate do tipo italiano, destinado principalmente a um público mais exigente em qualidade e sabor.

Inundações no Rio Grande do Sul trazem grandes incertezas para a soja brasileira

Além de todo o impacto humanitário, o evento climático trouxe grande volatilidade para os mercados de grãos, dado que o estado tem uma grande produção de soja e milho

Manejo de doenças em viveiros florestais

Um manejo eficiente de doenças em viveiros florestais é essencial para garantir a saúde e o sucesso no crescimento das mudas.

Híbridos de pimentão – A aposta certa

O pimentão (Capsicum annuum L.) é uma das hortaliças mais importantes economicamente no Brasil, sendo plantado e consumido em todo o território nacional. A área estimada de plantio é 19 mil hectares, com produção acima de 420 mil toneladas (FAO, 2017). Para aumentar a produtividade, melhorar a qualidade e oferecer pimentão em todas as épocas, a maioria dos produtores, principalmente das regiões sudeste e sul do Brasil, têm cultivado em ambiente protegido (Oliveira et al., 2009).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!