18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Energia - O novo produto agrícola da propriedade rural

Energia – O novo produto agrícola da propriedade rural

 

Carlos Reisser Júnior

Doutor e pesquisador Embrapa Clima Temperado

carlos.reisser@embrapa.br

Rodrigo Motta Azevedo

Engenheiro agrônomo e professor do IFSul

Eduardo Teixeira da Silva

Mestre, pós-graduando UFB

Clênio R. K. Böhmer

Doutor e professor do IFSul

 

Energia eólica e fotovoltaica, instalada pela Embrapa - Crédito Paulo Lanzetta
Energia eólica e fotovoltaica, instalada pela Embrapa – Crédito Paulo Lanzetta

O trabalho humano, juntamente com os recursos naturais da propriedade rural, é o sustentáculo do grande crescimento da população mundial. Apesar dos problemas de distribuição, a agricultura tem produzido alimentos suficientes para abastecer a população mundial, mostrando a capacidade dos nossos produtores e a grande disponibilidade de recursos naturais existentes em nosso meio rural.

Especialmente no Brasil, a produção da agricultura tem mostrado que este é um país de vocação agrícola, com uma participação próxima a 23% do seu PIB nos últimos 10 anos (CEPEA/ESALQ). Porém, sabe-se que, enquanto alguns países já esgotaram sua possibilidade de expansão da agricultura, o potencial de nosso país está longe de ser atingido.

Para manter e expandir este patamar produtivo, a pequena propriedade, protagonista importante no negócio agrícola, necessita buscar alternativas para seguir um rumo eficiente, visto que esta é uma parcela importante da produção de alimentos, que, no entanto, vem sofrendo com a tendência de urbanização de sua população, determinando uma redução de 7% entre 1995 e 2006 (IBGE) na sua mão de obra devido ao êxodo rural, além do envelhecimento de sua população.

Inovação

Uma alternativa de produção está sendo criada baseada na Resolução Normativa 482 da ANEEL, a qual permite a todo consumidor de energia elétrica, ligado ao sistema de distribuição, gerar energia até o total da carga instalada.

A norma permite conectar o sistema de geração de energia elétrica à rede de distribuição, não havendo necessidade de armazenamento de energia (em baterias) junto ao produtor, e que todo o excedente produzido seja compensado durante três anos. O sistema de geração chama-se mini ou microgeração distribuída.

Como a propriedade agrícola possui recursos naturais abundantes, como vento, espaço, radiação solar, resíduos e quedas d’água, todos estes podem ser transformados em energia elétrica e comercializados junto às distribuidoras de energia. Este comércio cria um produto comercializável, permitindo que a propriedade rural aumente sua produtividade e fonte de renda sem a necessidade de envolver e consumir a carente mão de obra ainda existente.

Existem diversas tecnologias para geração de energia - Crédito Internet
Existem diversas tecnologias para geração de energia – Crédito Internet

Solução

Uma pergunta que surge e foi feita pelo Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) é: “são viáveis economicamente estes sistemas de geração de energia renovável para a pequena propriedade agrícola de base familiar?“ Para responder, criamos um grupo de trabalho com técnicos da Embrapa Clima Temperado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul Rio-grandense (IFSul), Universidade Católica de Pelotas (UCPel) e Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Sul (FEPAGRO) financiados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

O trabalho, iniciado no fim de 2013, focou inicialmente a produção eólica e a fotovoltaica, buscando determinar a eficiência e o rendimento dos equipamentos conectados à rede (grid-tie) disponíveis no mercado brasileiro, em propriedades rurais de base familiar.

Para isso, foram instalados conjuntos geradores de energia renovável em seis locais do Rio Grande do Sul: em uma instituição de pesquisa; em uma instituição de ensino e pesquisa; em um produtor de leite assentado da reforma agrária; em uma comunidade rural quilombola; e outros dois em cooperativas de pequenos agricultores.

Os quatro primeiros locais no Sul do Estado são abastecidos pela Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e os outros, no Centro e no Norte, são abastecidos pela AESSul e pela Rio Grande Energia (RGE), sendo estas três as maiores distribuidoras do Estado.

Essas novas alternativas garantem sustentabilidade para as próximas gerações - Crédito Internet
Essas novas alternativas garantem sustentabilidade para as próximas gerações – Crédito Internet

Após a instalação dos equipamentos nos diversos locais, compostos por um gerador eólico de 1.000 W de potência, um gerador fotovoltaico composto por quatro placas de 250 W, dois inversores elétricos, um relógio contador da energia gerada pelos dois sistemas e uma estação meteorológica automática, a conexão foi feita em todos juntos à CEEE, e estão em andamento os projetos de conexão a serem feitos nas outras distribuidoras.

Os equipamentos e componentes utilizados, encontrados no mercado brasileiro, são na maioria importados. Os geradores eólicos testados são de fabricação nacional.

 Canto de página

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Grãos, edição de outubro 2015. Clique aqui para adquirir o seu exemplar e fazer a leitura completa.

Inicio Revistas Grãos Energia - O novo produto agrícola da propriedade rural