Inicio Revistas Hortifrúti Espaçamento ideal entre canais de cultivo em sistema hidropônico

Espaçamento ideal entre canais de cultivo em sistema hidropônico

0
409

 

Ernani Clarete da Silva

Professor adjunto da Universidade Federal de São João del-Rei

clarete@ufsj.edu.br

 

O espaçamento ideal entre os tubos de hidroponia - Créditos Shutterstock
O espaçamento ideal entre os tubos de hidroponia – Créditos Shutterstock

São inúmeras as vantagens do cultivo hidropônico, dentre as quais podem se destacar:

“¢ Permite praticar uma agricultura urbana;

“¢ Uso de menor volume de água com maior qualidade;

“¢ Uso de menor quantidade de fertilizantes;

“¢ Redução drástica do uso de agroquímicos;

“¢ Redução no número de operações durante o ciclo da cultura;

“¢ Antecipação da colheita devido à redução do ciclo da cultura;

“¢ Maior qualidade do produto e, consequentemente, maiores preços;

“¢ Interfere positivamente na sazonalidade da espécie;

“¢ Dispensa a rotação de culturas;

“¢ Alcança maiores produtividades, promovendo rápido retorno econômico.

Teoricamente, a técnica hidropônica pode ser usada para qualquer espécie vegetal, incluindo hortaliças, frutas, flores, cereais e plantas medicinais. Entretanto, há necessidade que se estabeleça a solução nutritiva adequada ao desenvolvimento da espécie considerada, a estrutura hidropônica apropriada e, mais importante, a viabilidade econômica do cultivo.

Obviamente que grandes culturas, como soja, arroz, feijão, milho, e frutíferas de grande porte, dentre outras, inviabilizariam economicamente o seu cultivo hidropônico.

Culturas de interesse

O cultivo de alface tem sido, atualmente, a atividade de maior expressão, tanto em área quanto em volume produzido. As folhas, de um modo geral como, por exemplo, couve, salsa, rúcula e cebolinha, se adaptam bem a esta técnica, não que com isso sejam mais viáveis. Hortaliças de fruto como tomate, pimentão, morango e pepino também ocupam espaço expressivo e tendem a crescer tanto em volume de produção quanto em área cultivada.

As técnicas de cultivo hidropônico requerem especialidade do produtor, denominado hidroponicultor. São vários detalhes que variam de acordo com a espécie produzida, desde o semeio até o final da colheita. Estes detalhes podem ser agrupados em, por exemplo:

– Ambientais: época do cultivo e instalações hidropônicas.

– Nutricionais: solução nutritiva.

– Manejo: monitoramento da solução nutritiva quanto a aspectos de pH, condutividade elétrica, temperatura, frequência da circulação e volume.

– Monitoramento da planta quanto a aspectos de nutrição e ocorrência de pragas e doenças.

O conceito de otimização do espaço deve ser considerado com rigor técnico - Créditos Shutterstock
O conceito de otimização do espaço deve ser considerado com rigor técnico – Créditos Shutterstock

Detalhes que fazem a diferença

A condutividade elétrica da solução nutritiva é um detalhe importante, sobre o qual o hidroponicultor deve ficar atento. Este parâmetro mostra se a solução nutritiva continua balanceada ou se está deficiente em nutrientes em função da absorção diária da planta.

Também o pH da solução nutritiva requer vigilância, uma vez que está associado diretamente com a disponibilidade ou indisponibilidade do nutriente para a planta.

Os canais de cultivo

Canais de cultivo são equipamentos tubulares que conduzem a solução nutritiva, que tem a função de irrigar e nutrir, simultaneamente, as plantas que são colocadas estrategicamente ao longo de seu comprimento. Isto ocorre no sistema hidropônico mais utilizado, denominado NFT ─ do inglês Nutrient Film Technique ou Técnica do Fluxo Laminar de Nutrientes.

Os canais de cultivo podem ser das mais variadas dimensões e materiais. Assim, podem ser usados: madeira, bambus, alvenaria, tubos de PVC cortados longitudinalmente ou não, e até embalagens descartáveis do tipo tetra pak, dependendo da criatividade do hidroponicultor, da espécie vegetal usada e da economia do empreendimento. No mercado, em estabelecimentos especializados no comércio hidropônico encontram-se canais de cultivo denominados perfis hidropônicos confeccionados em polipropileno de diversas formas e bitolas.

Estes têm sido os mais usados para o sistema NFT, porque tem a vantagem de serem comercializados com espaçamentos entre plantas dentro da fileira conforme o desejo do olericultor.

A técnica hidropônica pode ser usada para qualquer espécie vegetal - Créditos Shutterstock
A técnica hidropônica pode ser usada para qualquer espécie vegetal – Créditos Shutterstock

Como funciona

Considera-se tecnicamente um cultivo hidropônico quando o sistema é hidraulicamente fechado, ou seja, a solução nutritiva circula pelos canais de cultivo, irriga e nutre a planta, e o excesso retorna para o depósito de solução nutritiva para mais um ciclo de circulação.

Os canais de cultivo funcionam na prática, análogo às linhas ou fileiras de plantas no solo que obedecem a espaçamentos específicos. Para os canais de cultivo, o conceito é semelhante. Entretanto, em cultivo protegido, tanto no solo quanto em hidroponia, o espaçamento a ser adotado se constitui num exercício de quebra-cabeça.

O conceito de otimização do espaço deve ser considerado com rigor técnico e de bom senso. Otimização significa colocar o máximo de planta no espaço de cultivo sem que uma planta prejudique a outra.

Então, deve-se levar em conta que o espaço considerado é uma casa de vegetação que abriga todos os equipamentos hidropônicos disponibilizados para o cultivo comercial de uma determinada espécie vegetal.

Este espaço exige investimento inicial, que deve ser amortizado ou compensado com a comercialização do produto, o que determina a viabilidade do empreendimento.

Essa matéria completa você encontra na edição de abril da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua para leitura integral.

SEM COMENTÁRIO