Estresse hídrico no pimentão

0
123

Aurtora

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal) nilvatteixeira@yahoo.com.br


Pimentão – Crédito: Shutterstock

O pimentão, como toda hortaliça, é uma espécie exigente em água, especialmente nas etapas de implantação das mudas, florescimento e pegamento dos frutos. Assim, o seu cultivo está extremamente ligado à irrigação, o que depende de disponibilidade de água e de equipamentos especializados.

A frequência de irrigação é um aspecto que eleva o custo de produção. Então, ferramentas que podem diminuir tal frequência são interessantes. Entre tais ferramentas está o emprego de produtos com algas marinhas.

As algas marinhas são de constituição extremamente rica: para sobreviver em ambiente agreste, como os oceanos, elas desenvolvem metabolicamente a capacidade de armazenar os mais variados nutrientes: minerais e orgânicos.

Entre os minerais estão todos os nutrientes de plantas, como os orgânicos: vitaminas, aminoácidos, hormônios semelhantes aos produzidos pelos vegetais superiores, como citocinas, ácido abscísico e giberelinas, e uma glicoproteína, o alginato, que é capaz de reter grande quantidade de água.

Vantagens das algas

O uso de formulados contendo algas marinhas, nos cultivos, pode beneficiar o aproveitamento de água no solo: a aplicação no solo promove a inclusão do alginato, o que aumenta a capacidade de armazenamento de água do solo e a disponibilização às plantas.

Por outro lado, as citocininas e as giberelinas presentes nas algas promovem aumento da divisão celular, o que vai propiciar maior e melhor desenvolvimento de raízes. Raízes mais vigorosas e volumosas, exploram melhor as camadas de solo. Dessa maneira, entram em contato com a água que está nas camadas mais profundas do perfil do solo.

Tem que ser lembrado que o sistema radicular é a “boca” da planta: a principal via de entrada de água e de nutrientes. Porém, há ainda os minerais e os aminoácidos presentes nas algas marinhas, que podem nutrir o vegetal e potencializar a ação dos adubos minerais.

Então, as algas marinhas são fontes de várias vitaminas e de outras substâncias, como glicoproteínas, como o alginato e aminoácidos, como a prolina, rica em estimulantes naturais, como: auxinas (hormônio do crescimento que governa a divisão celular), giberelina (que induz floração e alongamento celular), citocinina (hormônio da juventude, retardamento da senescência) e abscísico (ABA), em quantidades equilibradas.

As algas são fontes de antioxidantes, substâncias produzidas a partir do metabolismo secundário das algas, que estimulam a proteção natural dos vegetais contra pragas e doenças. Tornam as plantas menos vulneráveis às variáveis abióticas, como temperatura, raios ultravioletas, salinidade, seca, etc.

Ainda, as algas melhoram a agregação do solo, minimizando a erosão e otimizando a aeração, aumentando a capacidade de retenção e de movimentação da água, desenvolvimento de raízes, além de fertilizá-lo. O seu elevado teor de hidrocoloides também permite às algas condicionarem propriedades do solo que permitem a liberação lenta de minerais e moléculas ativas e manter a umidade do solo de acordo com a necessidade das plantas.

Como as algas marinhas favorecem a divisão celular, por serem ricas em estimulantes naturais e nutrientes, o emprego melhora o enraizamento dos vegetais, o que possibilita o melhor uso do solo, de água e de nutrientes. Assim, o enraizamento será mais abundante e eficiente.

Ação e reação

Como se citou, as algas são seres muito ricos, por exemplo: têm alta concentração de alginato, um polissacarídeo que compõe a estrutura da parede celular das algas e que faz com que elas armazenem água nas células e permaneçam hidratadas por todo o período que passam expostas ao sol.

O alginato desempenha no solo o papel de reter água e agregar as partículas do perfil, proporcionando um ambiente ideal para o desenvolvimento das raízes e absorção dos nutrientes. Na composição das algas há outros elementos-chave no processo, como, por exemplo, a prolina, que é um aminoácido relacionado à resistência ao déficit hídrico e a composição equilibrada de bioestimulantes.

Os extratos de algas podem atuar como antiestressantes, uma vez que beneficiam o sistema antioxidante, aumentando a tolerância do vegetal frente a circunstâncias ambientais adversas e aumentando a capacidade de recuperação após o estresse, o que pode potencialmente incentivar ou, ao menos, manter a produção das plantas, mesmo sob condições não ideais de cultivo.

Pesquisas

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.