19.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasExportações de frutas irrigadas em 2023 foram um sucesso

Exportações de frutas irrigadas em 2023 foram um sucesso

Maxwell Soares da Silva, Especialista Agronômico da Netafim

Maxwell Soares da Silva/Divulgação

Por Maxwell Soares da Silva, Especialista Agronômico da Netafim

O ano de 2023 foi bastante produtivo para o mercado de frutas no Brasil. Segundo a Abrafrutas (Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados), a produção cresceu 6% em volume e 26,7% em valor em comparação com 2022, totalizando 1.085 milhão de toneladas produzidas e exportadas para mercados exigentes, como os países árabes.

A região Nordeste se destaca nesse contexto, incluindo o estado da Bahia, que, durante 11 meses de 2023, exportou 170 mil toneladas, representando um crescimento de 44% em relação a 2022. Na região onde são cultivadas uvas, mangas, melões e diversas outras frutas, a prática de irrigação atinge a marca de 100%, sendo predominantemente realizada por meio do sistema de gotejamento. Essa tecnologia teve um impacto direto no recorde de produção e exportação, fornecendo aporte necessário de água, fertilizantes e produtos biológicos que não agridem o meio ambiente, sendo aplicados diretamente no sistema radicular da planta, com alta eficiência.

Com a implementação do sistema de irrigação, os produtores têm diversas opções em seu dia a dia no campo. Podem irrigar em diferentes momentos do dia ou da noite, aplicar fertilizantes separadamente por talhões ou em toda a área e realizar a aplicação de biológicos que auxiliam no enraizamento das plantas e no controle de pragas e doenças. Tudo isso é feito de forma automatizada, com informações armazenadas na nuvem, proporcionando um controle para certificações nos mercados mais exigentes do mundo.

A irrigação localizada também possibilita um manejo adequado para cada cultivo e tipo de solo, especialmente em uma região semiárida. Segundo o meteorologista Humberto Barbosa, cientista fundador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), foram identificadas regiões áridas com clima desértico no Nordeste em 2023, alertando ainda mais para a utilização consciente da água na região.

Esse manejo é realizado com tensiômetros manuais e digitais, que informam em tempo real sobre a umidade do solo e a necessidade de irrigação. Percebe-se o nível de assertividade que o produtor consegue alcançar com ferramentas como essas, que impactam não apenas no consumo de água, mas também no uso de fertilizantes e energia.

Com a adoção dessas ferramentas, fazendas no Vale do São Francisco experimentaram um aumento significativo em sua produção, passando de 10 a 15 toneladas por safra no ano para 25 a 30 toneladas, realizando duas colheitas anuais. Essa prática não apenas otimizou o uso de água e fertilizantes, mas também desempenhou um papel crucial no êxito da fruticultura brasileira.

LEIA TAMBÉM:

VÍDEO: confira os conteúdos da Revista Campo & Negócios

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos aceleram recuperação e desenvolvimento do tomate

  Rodrigo da Silveira Campos Engenheiro agrônomo, MSc. e analista da Embrapa Agroindústria de Alimentos rodrigosilveiracampos@hotmail.com   As olerícolas são muito dependentes de grandes aportes de nutrientes, como também...

Nutrição na ponta do lápis para a pimenta de cheiro

Talita de Santana Matos Elisamara Caldeira do Nascimento Glaucio da Cruz Genuncio glauciogenuncio@gmail.com Doutores em Agronomia A espécie Capiscumchinense é a mais brasileira das espécies domesticadas e se caracteriza...

Inoculação da soja e uso de micronutrientes

  Ieda de Carvalho Mendes Engenheira agrônoma e pesquisadora da Embrapa Cerrados ieda.mendes@embrapa.br Mariângela Hungria Engenheiro agrônomo e pesquisadora da Embrapa Soja   Após a fotossíntese, a fixação biológica...

Miniequipamentos ganham novos usos com implementos

Juliana Pinheiro Dadalto Larissa Nunes dos Santos Doutorandas em Engenharia Agrícola na Universidade Federal de Viçosa (UFV) Haroldo Carlos Fernandes Professor do Departamento de Engenharia Agrícola...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!