26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesFlorestas nobres projetam alto retorno em Mogno Africano

Florestas nobres projetam alto retorno em Mogno Africano

Com tecnologia e inovação, a proposta é democratizar o acesso às plantações

Um investimento para a vida, protegido contra a inflação e a certeza de ter a propriedade de terras: esta é a nova face da inovação no Brasil. Com plantações de Mogno Africano, uma madeira nobre, de crescimento rápido e elevada comercialização, tem sido alternativa ambiental e atraído investidores pela possibilidade de alto retorno financeiro a longo prazo.

O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), fundado em 2006 em Londrina, pelos irmãos Aquino, começou suas atividades com a produção e venda de mudas nativas e de Mogno Africano, passando para a consultoria de implantação de florestas dessa espécie. Hoje é responsável por um modelo de negócio único no Brasil, que democratiza o acesso ao setor de florestas comerciais, permitindo que pessoas sem terra, conhecimento técnico ou estrutura para o plantio e a gestão florestal possam se beneficiar desse investimento.

Eles administram 4.400 hectares de áreas próprias e de clientes, é o Polo Florestal na cidade de Pompéu, região central de Minas Gerais, um complexo de áreas estrategicamente localizadas, que concentram um grande número de florestas plantadas de Mogno Africano.

O investimento começa com a aquisição de lotes de terra, a partir de 7,2 hectares, especialmente preparados para o cultivo do Mogno Africano. Essa abordagem permite que os investidores se tornem proprietários de áreas pré-avaliadas e adequadas para o plantio da espécie exótica. A terra é transferida para o nome do investidor com matrícula individualizada, tornando-o dono da terra e da floresta.

“É uma madeira especial, com alto valor agregado. E dentre as espécies em plantações artificiais, destaca-se pela precocidade, maior lucratividade, além das vantagens no contexto ambiental, já que se evita de cortar árvores em florestas naturais”– lembra Higino Aquino, um dos proprietários da IBF Florestas.

O processo, completamente alinhado ao cliente, tem duas fases: a compra e venda da terra e a contratação dos serviços florestais do IBF. A empresa é responsável pela avaliação do solo e preparo do solo, produção das mudas, plantio, manutenção e outras necessidades da floresta.

O valor do investimento é diluído ao longo de 17 anos, período em que ocorre o corte raso da floresta. A longo prazo, o investimento projeta um retorno de R$1,5 milhão por hectare. Por isso, a nova maneira de plantação chama a atenção. Une sustentabilidade, tecnologia e possibilidade de crescimento.

Helvécio Silveira é investidor no Polo de Minas Gerais “Para mim, a parte mais interessante é que você compra a terra, investi na floresta plantada sabendo que o retorno é a longo prazo, mas tenho segurança” – avalia.

“A proposta é inovadora porque foi muito planejada e estruturada”, explica Gilberto Capeloto, gerente comercial do IBF. O local foi escolhido após estudos e análises que indicaram características ideais para o crescimento do Mogno Africano, com índice pluviométrico satisfatório, além de não ter riscos de geadas e localização favorável para o tratamento e escoamento da madeira. O valor das terras no local também foi um fator decisivo para a escolha, por ficar abaixo do preço de mercado, garantindo mais acessibilidade. Todo o desenvolvimento da floresta é compartilhado com o investidor através de um aplicativo, o Minha Floresta. “A ideia é fazer com que o proprietário acompanhe todo o desenvolvimento da área, desde a separação das mudas, até os cuidados com as árvores já plantadas”, diz Higino Aquino, diretor e fundador do IBF

ARTIGOS RELACIONADOS

Formiga cortadeira no mogno africano: como funciona o controle?

Os danos causados por essas formigas dependem da intensidade do ataque e, também, da fase de desenvolvimento das plantas

14º Workshop de Mogno Africano

6 de maio, em São Paulo (SP).

Tratamento de sementes: baixo custo, alto retorno

O tratamento de sementes é uma técnica acessível e eficaz para proteger as suas plantas e aumentar a produtividade.

História do mogno africano no Brasil

As primeiras sementes de mogno africano chegaram ao Brasil no ano de 1975, através de representantes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!