22.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesIndustrialização do milho pode ampliar em até três vezes o valor agregado...

Industrialização do milho pode ampliar em até três vezes o valor agregado do grão

Organizada pela Unem e DATAGRO, primeira Conferência Internacional sobre Etanol de Milho, em Cuiabá, discute oportunidades para o mercado com a transição energética

Divulgação

Além de ganhos em sustentabilidade, a industrialização do milho para produção de etanol, por exemplo, pode triplicar o valor agregado do grão. A afirmação foi feita nesta quinta-feira (21) durante a primeira Conferência Internacional sobre Etanol de Milho, organizada pela União Nacional do Etanol de Milho e pela DATAGRO, em Cuiabá (MT).

“O uso deste milho para produção de combustível sustentável leva a uma valorização do grão, de duas a três vezes, quando industrializado, porque agrega valor ao dar origem a outros subprodutos. Isso estimula a produção de mais milho, e cria um círculo virtuoso, beneficiando a indústria, o comércio e com impacto positivo para o meio ambiente”, comenta Plinio Nastari, presidente da DATAGRO.

O evento discutiu oportunidades para o setor, com participação da agroindústria do etanol de milho, produtores de cereais e de políticos do Estado e do Congresso Nacional. Ao todo, a conferência reuniu mais de 500 convidados.

O deputado federal Arnaldo Jardim, relator do projeto Combustível do Futuro, aprovado na Câmara dos Deputados e que agora tramita no Senado, integrou um dos painéis. Também participaram outras autoridades, como Pedro Lupion, deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, e de representantes da Apex Brasil, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Embrapa, Ministério das Relações Exteriores, Agência Nacional do Petróleo (ANP), Unicamp, dentre outras.

O Brasil é hoje o segundo maior produtor de etanol de milho do mundo. Desde o início da operação da primeira indústria full deste biocombustível, em 2017, a produção passou de 500 mil litros para 6,27 bilhões de litros na safra 2023/2024, que se encerra este mês. Todo esse potencial vai ao encontro das novas demandas mundiais por combustíveis renováveis e menos poluentes.

De acordo com o presidente-executivo da Unem, Guilherme Nolasco, a cadeia do etanol de milho e cereais está inserida em um círculo virtuoso de investimentos que integra cadeias de grãos, pecuária, floresta e biocombustíveis.

“O Brasil tem hoje uma grande responsabilidade para fornecimento de alimentos e de biocombustíveis, produzidos de forma sustentável e complementar. A cadeia do etanol de milho é um exemplo deste potencial de integração de cadeia produtiva e que ainda tem enorme potencial de crescimento sobre os excedentes exportáveis. Por meio da industrialização do grão produzido em segunda safra, é possível dobrar a produção de etanol nos próximos dez anos e, ao mesmo tempo, contribuir para intensificação da pecuária e ampliação da oferta de alimentos”.

Mato Grosso, que sediou o evento, lidera a produção de etanol de milho entre os Estados brasileiros, com 11 plantas em funcionamento, sendo seis exclusivas de etanol de milho e cereais.

“São estes investimentos que vão alavancar a produção de matérias-primas sustentáveis para a produção de bioenergia, que inclui o biodiesel, o etanol, o biometano, e Mato Grosso é um exemplo nesta direção, com integração com soja, com milho de segunda safra, a conversão deste milho em etanol, DDG (grão de destilaria secos – do inglês Dried Distillers Grains), óleo de milho, a transformação da soja em farelo, que vira biodiesel”.

Aviação e Navegação

Em um dos painéis, que abordou os mercados potenciais futuros, o evento discutiu o uso de biocombustíveis na aviação, o chamado Combustível Sustentável para Aviação (SAF, do inglês Sustainable Aviation Fuel), e para a navegação. A FS Fueling Sustainability, participante da Conferência, é a primeira indústria do setor a conseguir certificação para produzir o SAF no Brasil e o tema desperta interesse de todo o setor como alternativa de mercado.

“O combustível sustentável de aviação é um dos mercados promissores. Na DATAGRO, estimamos que a demanda por etanol nos próximos anos irá triplicar, o que impõe um senso de urgência muito grande para ampliar a produção de biocombustíveis. Isso está sendo feito sem gerar competição com a produção de alimentos, ao contrário, estimula a produção de mais grãos”, afirma Nastari.

Suplementação animal  (DDG/DDGS)

Subproduto da industrialização do milho nas plantas de produção de etanol, o DDG e o DDGS são extraídos a partir do processamento do grão. As fibras dão origem a diferentes produtos, que geram suplementos nutricionais para bovino, suíno e avicultura, dentre outras.

“Os resultados que temos em Piracicaba/SP são consistentes em mostrar, de forma muito contundente, que estes coprodutos, seja fibras úmidas, as fibras secas e o DDGS, contam com valor energético mais alto do que milho e farelo de soja, milho e caroço de algodão, milho e farelo de algodão, todas estas combinações muito comuns nas dietas convencionais de confinamentos”, afirma Flávio Augusto Portela, engenheiro agrônomo da ESALQ/USP, que lidera estudos na área financiados pela iniciativa privada.

Neste ano, o setor deve produzir cerca de três milhões de toneladas de DDG. Indústrias do setor estimam que a produção salte para sete milhões na safra 2029/30.

Líder de pesquisa da DATAGRO Pecuária, João Otávio Figueiredo diz que a cadeia integrada garante maior segurança no fornecimento da suplementação.

“O pecuarista vai intensificar sua produção à medida que este custo feche. O grande desafio que se tinha na intensificação do boi no Brasil era uma entrega de suplemento, de matéria-prima, com suplementos interessantes, e hoje, com a cadeia integrada com etanol de milho, você consegue ter uma garantia de suplemento, porque a usina vai moer”, destaca.

A primeira Conferência Internacional sobre Etanol de Milho contou com o patrocínio de ALD Bioenergia, Dan Power, FS Fueling Sustainability, HPB, ICM, IFF, Inpasa, Lallemand, Neomille, Novonesis, Agrion Fertilizantes, Air & Parts, Benri, Deag, Gemma, OCC, Puro, Startagro, Aprosoja, Caldema e Weg.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Brevant® Sementes lança híbrido de milho verão

O B2801VYHR oferece ciclo precoce, alta tolerância a doenças e apresenta média de produtividade de 13,5 sacos a mais por hectare

‘Milho Certo Lavoro’ pretende atingir a marca de R$550 milhões em vendas de insumos agrícolas com operações de Barter

Meta é carregar oito navios de sacas de milho até o final da ação, válida até o dia 15 de dezembro de 2022

KWS Sementes se destaca

A KWS Sementes se destacou novamente na vitrine de híbridos para silagem do Programa ...

Como escolher o híbrido ideal de milho safrinha

O híbrido ideal para safrinha deve ser aquele que consiga suportar as adversidades encontradas ....

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!