20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosOpção de renda: cultivo de flores comestíveis

Opção de renda: cultivo de flores comestíveis

As flores comestíveis estão ganhando popularidade porque acrescentam não apenas uma aparência colorida, mas também uma variedade de sabores, do doce ao ácido, ao prato final

Foto ilustrativa

Silvia Graciele Hülse de Souza
silvia.hulse@gmail.com
Thiago Alberto Ortiz
thiago.ortiz@prof.unipar.br
Franciely S. Ponce
francielyponce@gmail.com
Engenheiros agrônomos, doutores em Agronomia e professores – UNIPAR (campus Umuarama-PR)

Embora exista poucas informações sobre a produção de flores comestíveis, seu cultivo tem despertado o interesse de muitos produtores agrícolas que buscam uma fonte alternativa de renda.

Essa tendência crescente se deve a diversos fatores atrativos que a atividade oferece, como a demanda crescente por produtos gourmet e a possibilidade de explorar um nicho de mercado ainda em expansão.

Além disso, os produtores rurais têm sido incentivados ao cultivo de flores comestíveis em razão da alta demanda por ingredientes naturais e sofisticados na culinária contemporânea.

Demanda

Consumidores cada vez mais exigentes e conscientes sobre a origem e a qualidade dos alimentos buscam por opções frescas e inovadoras, o que tem impulsionado a procura por flores comestíveis em restaurantes, eventos gastronômicos e até mesmo em mercados especializados.

No entanto, para garantir o sucesso nesse ramo, é essencial compreender os cuidados agronômicos específicos necessários para o cultivo dessas plantas destinadas ao consumo in natura.

Popularidade

Dentre as flores comestíveis que têm sido particularmente populares entre os consumidores e rentáveis aos produtores, destacam-se: amor-perfeito (Viola × wittrockiana), viola (Viola cornuta), capuchinha (Tropaeolum majus), begônias de cera (Begonia × semperflorens-cultorum) e tubeross (Begonia × tuberhybrida), mal-me-quer africano (Tagetes erecta) e franceses (Tagetes patula) e o cravo-da-índia (Dianthus chinensis).

Existem, também, plantas perenes com flores comestíveis, como o hibisco (Hibiscus rosa-sinensis), a peônia (Paeonia lactiflora), a rosa (Rosa spp.) e a lavanda (Lavandula angustifolia).

Essas flores não apenas agregam valor estético aos pratos, mas também oferecem uma gama diversificada de sabores, aromas e cores que enriquecem a experiência gastronômica.

É alimento ou decoração?

A diferença na produção de flores destinadas à alimentação com as cultivadas para fins ornamentais reside no manejo de pragas e doenças. O cultivo de flores comestíveis demanda cuidados agronômicos específicos.

Devido ao seu destino como alimento in natura, é crucial se atentar para a escolha dos produtos utilizados no manejo dessas plantas. Na produção destinada ao consumo humano, a maioria dos pesticidas usados na jardinagem ornamental se torna inadequada e não é apropriada para uso em culturas comestíveis.

Frequentemente, a melhor abordagem para garantir que as culturas estejam livres de resíduos de pesticidas acima dos limites permitidos é priorizar por métodos orgânicos e sustentáveis, a fim de garantir a qualidade e a segurança alimentar dos produtos.

Além disso, o solo desempenha um papel fundamental no cultivo de flores comestíveis. Um solo bem drenado, sem encharcamento, é essencial para o desenvolvimento saudável das plantas e para prevenir problemas como o apodrecimento das raízes.

Portanto, é importante garantir que o solo apresente características ideais de drenagem e nutrição para um cultivo bem-sucedido. Ademais, uma possibilidade é o cultivo hidropônico de flores comestíveis, que oferece uma oportunidade para o produtor adicionar uma nova safra e expandir seu portfólio de produtos.

Informação é tudo

Embora, atualmente, existam poucos recursos e materiais voltados especificamente para a produção hidropônica de flores comestíveis, o conhecimento existente para o cultivo de hortaliças pode ser um ponto de partida inicial para que o produtor tenha sucesso na colheita.

Crédito: Erasmo Pereira

Ainda que o cultivo de flores comestíveis ofereça oportunidades de renda promissoras, há desafios específicos associados a essa atividade. A fragilidade das flores e a necessidade de cuidados extras durante o cultivo e a colheita podem representar obstáculos aos produtores rurais.

No entanto, com conhecimento técnico adequado e adoção de boas práticas agrícolas, é possível superar esses desafios e obter sucesso na produção de flores comestíveis.

Cuidados essenciais

Quanto à colheita e armazenamento, práticas cuidadosas são essenciais para preservar a qualidade e o frescor das flores comestíveis. A colheita deve ser realizada manualmente, evitando danos às pétalas, e as flores devem ser armazenadas em condições adequadas de temperatura e umidade para garantir sua durabilidade e aparência atrativa.

O mercado para flores comestíveis tem evoluído nos últimos tempos, acompanhando a tendência de valorização da gastronomia e dos produtos naturais. Com a crescente demanda por ingredientes exclusivos e a expansão do setor de alimentos gourmet, as perspectivas para o futuro desse segmento agrícola são promissoras.

Produtores que investem no cultivo de flores comestíveis têm a oportunidade de explorar um mercado em crescimento e atender a uma demanda cada vez mais exigente por produtos diferenciados e de alta qualidade.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Flores e agronegócio: a união da beleza com o trabalho

O consumo per capita de flores e plantas é de R$ 35,3 mil, 76% superior ao consumo per capita médio do agronegócio brasileiro.

Cresce o número de mulheres na produção de flores e plantas ornamentais 

Criatividade, dedicação e cooperativismo destacam a mão de obra feminina que vem ganhando espaço e protagonismo em várias funções dentro do setor

Parque Tecnológico lança Agropolo Vale

Evento acontece dia 23/03 e contará com a realização da 1ª Feira da Gastronomia Artesanal.

Bioestimulantes proporcionam maior vigor à plântula

Bioestimulantes são compostos que incluem substâncias naturais e microrganismos que, quando aplicados à planta ou à rizosfera, promovem uma maior eficiência do uso de nutrientes e um incremento da tolerância a estresses bióticos e abióticos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!