16.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosSorgo: novas moléculas para controle de plantas daninhas

Sorgo: novas moléculas para controle de plantas daninhas

Foto: Luize Hess

Carolina Alves Gomes
Engenheira agrônoma e mestranda em Produção Vegetal – Universidade Federal de Viçosa (UFV/CRP)
carol.agomes11@gmail.com
Vanessa Alves Gomes
Engenheira agrônoma, mestra em Fitopatologia e doutora em Proteção de Plantas
vavvgomes@gmail.com

O sorgo é uma das principais culturas no Brasil e o quinto cereal mais produzido no mundo. Isso se deve à capacidade de adaptação aos diferentes ambientes de cultivo, inclusive condições climáticas desfavoráveis. Pode ser utilizado para a alimentação animal, mas também para o consumo humano em substituição ao trigo, como em pães.

Matocompetição

O plantio do sorgo é recomendado no período de setembro a novembro, mas devido às variedades, permite-se o plantio posterior, visto sua versatilidade de adaptação a condições climáticas adversas. Sendo assim, é nessa época que as plantas daninhas possuem maior germinação e promovem maior competição.

As plantas daninhas competem por água, luz, nutrientes e podem promover perdas significativas na cultura do sorgo. As perdas por competição podem chegar a 35% em fases iniciais, comprometendo o rendimento da lavoura em até 70%, se não for utilizado o manejo de plantas daninhas de forma correta durante todo o ciclo.

As monocotiledôneas, mais conhecidas como plantas daninhas de folha estreita, têm características semelhantes à cultura do sorgo, limitando o uso de herbicidas, devido a sua não seletividade à cultura.

Já as plantas daninhas eudicotiledôneas, folhas largas, possuem mais diferenças fisiológicas, mas, ainda sim, o manejo de controle deve ser bem estruturado para que seja efetivo.

Danos

A presença de 175 plantas por m² de Echinochloa crusgalli pode promover a redução de até 52% da produtividade de sorgo granífero. Sendo assim, se não houver uma boa dessecação inicial e um bom controle de gramíneas antes do plantio as perdas ocorrerão, pois ainda não possuem graminicidas registrados para esse controle.

Para Moore et al. (2004), a presença de uma planta de Amaranthus palmeri por metro quadrado pode promover a redução de 1,8% do rendimento final de produtividade do sorgo. Dessa forma, a importância do controle de plantas daninhas deve ser muito eficiente, para minimizar as perdas e promover um melhor rendimento ao final do ciclo.

Manejo

Fotos: Luize Hess

O controle de plantas daninhas pode ser feito de diversas maneiras, porém, os mais utilizados na cultura do sorgo são o cultural e o químico. O controle cultural tem a vantagem de ser uma prática que contribui para redução da infestação de plantas daninhas, bem como para pragas e doenças.

O manejo de rotação de culturas, consórcio com outras plantas, espaçamento e densidade adequado permitem uma maior cobertura do solo, minimizando a emergência de plantas daninhas que, em sua maioria, são fotoblásticas positivas, precisam de um flash de luz para emergência.

Além disso, a rotação de culturas permite que, devido à diversidade de culturas, haja usos distintos de controle de plantas daninhas, reduzindo o banco de sementes presente no local, bem como a resistência.

Outro benefício é a redução de pontes para infestação de pragas e doenças. A rotação de cultura permite que as pragas-chaves não tenham ciclos repetidos, aumentando as populações e provocando danos ainda maiores.

Ademais, as plantas daninhas também podem ser hospedeiras dessas pragas e doenças, reforçando ainda mais a importância desse manejo de forma eficiente.

Novas moléculas

O controle químico pode ser associado ao controle cultural, promovendo ainda mais eficácia ao controle de plantas daninhas. A limitação do controle químico para a cultura do sorgo é a quantidade de produtos registrados para a cultura.

Atualmente, segundo dados do Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários, Agrofit, há três moléculas disponíveis no mercado para o uso na cultura do sorgo.

A atrazina é um dos ingredientes ativos registrados para a cultura. Essa molécula possui como mecanismo de ação a inibição do fotossistema II, interrompendo o processo fotossintético da planta e ocorrendo a liberação de vários radicais livres que promovem a peroxidação dos lipídeos e intoxicação das plantas.

Os sintomas são mais vagarosos, iniciando em clorose e se desenvolvendo até necrose. Porém, podem ser acentuados em dias de calor e com presença de umidade.

Este herbicida pode ser utilizado na cultura do sorgo e do milho, pois estas possuem mecanismos de seletividade e metabolismo secundário que utiliza da enzina glutatione-S-transferase para metabolizar o herbicida e torná-lo uma substância não tóxica para seu metabolismo.

Outro ingrediente ativo registrado para a cultura do sorgo é a simazina. Este apresenta as mesmas características da atrazina, pois consistem do mesmo mecanismo de ação, inibidores de fotossistema II, e do grupo químico das triazinas, apresentando comportamento muito semelhante de ação no controle de plantas daninhas e na seletividade do sorgo.

O 2,4D é outra possibilidade de uso de herbicida registrado para a cultura do sorgo. Porém, devido a sua não seletividade, este é usado para a dessecação de área total antes do plantio ou para a colheita, não sendo efetivo no controle de plantas daninhas durante o ciclo da cultura.

Sendo assim, é visível a carência de produtos no controle de plantas daninhas para a cultura do sorgo. E o mais agravante é que a atrazina e a simazina são limitadas ao controle de plantas daninhas de folha larga, não havendo herbicidas seletivos para o controle de folhas estreitas, como graminicidas.

BOX

Resistência

Devido à carência de produtos registrados, o uso repetido de herbicidas de mesmo mecanismo de ação e grupos químicos permite a seleção de plantas daninhas resistentes, tonando ainda mais difícil o controle.

Dessa forma, é muito importante o constante desenvolvimento de estudos de potenciais usos de herbicidas na cultura do sorgo, que cada vez mais ganha importância no mercado consumidor.

O sorgo, portanto, possui ainda grandes desafios no controle de plantas daninhas para o desenvolvimento de um controle eficaz. É importante que não seja feito somente o controle químico, mas o manejo integrado de plantas daninhas, a fim de minimizar o banco de sementes e a resistência, que tornam ainda mais difícil este controle.

ARTIGOS RELACIONADOS

Delegate passa a atender mais de 70 culturas de hortifrúti

Solução conquistou o prêmio de química verde e é reconhecida pelo controle superior de pragas em cultivos como tomate, batata, uva, melão e melancia.

Palestras Inovashow

JônadanHsuan Min Ma Eng.º Agrônomo, Dir. Executivo Grupo Boa Fé - MaShou Tao, Ex-Presidente da Fund. Triângulo de Apoio a Pesq.eDesenv., Fundador do CAT -...

Novidade – Cultivares de sojas resistentes a nematoides

A Embrapa Cerrados e a Fundação Bahia lançaram cultivares de soja BRS 7980, BRS 8180RR e BRS 8280RR. Adaptados para o oeste baiano e...

As melhores técnicas para a aplicação de defensivos agrícolas

Falhas na execução podem acarretar prejuízos ao produtor e impactar negativamente a saúde humana e o meio ambiente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!