21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesXXI CBSementes 2022: edição gênica, a revolução das sementes

XXI CBSementes 2022: edição gênica, a revolução das sementes

Alexandre Nepomuceno em palestra (Jackson Mendes/Divulgação)

O melhoramento genético avançou em muitas casas com a edição gênica que é a base do crescimento do agronegócio brasileiro. Uma revolução que, para ser ainda maior, depende de investimentos em pesquisa. “Biotecnologia – A era da edição gênica e impactos na produção de sementes” foi tema da palestra do doutor Alexandre Nepomuceno, chefe-geral da Embrapa Soja, na segunda-feira (12), no XXI Congresso Brasileiro de Sementes (CBSementes). O evento acontece até quinta-feira (15), na Expo Unimed, em Curitiba. A realização é da Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (Abrates).

O presidente desta edição do CBSementes, Fernando Henning, o doutor e pesquisador da Embrapa Soja, foi o mediador deste momento da programação científica.

Na sua exposição, Nepomuceno destacou que vivemos várias revoluções tecnológicas, que vão impactar o dia a dia, nos laboratórios e no campo. É mais do que quebrar paradigmas. As inovações estão preparando o caminho para que, até 2050, possamos alimentar os 11 bilhões de pessoas – expectativa para a população mundial.

O pesquisador percorreu na palestra, a trajetória das tecnologias no Brasil, antes da primeira geração de transgênicos, no final dos anos de 1990. Ele destacou que, sem o desenvolvimento da soja transgênica não seria possível o Sistema Plantio Direto, que ocupa em torno de 60% da área de produção no Brasil. Mas, antes disso, em 1994, os Estados Unidos, já desenvolviam a primeira planta transgênica, que era uma variedade de tomate. Em 1996, chegou ao mercado o primeiro produto comercial.

Em 1997, a Argentina também entrava nessa corrida tecnológica. O Brasil ficou de 1998 a 2005 sem liberação de transgênicos. O que só aconteceu com a nova Lei de Biossegurança.

“Hoje, temos mais de 230 organismos geneticamente modificados pela Embrapa para uso no país, como cana-de-açúcar, eucalipto e soja. O único feijão modificado no mundo foi desenvolvido pela Embrapa. O Brasil é o segundo país produtor de plantas modificadas no mundo”, afirmou Nepomuceno.

O pesquisador destacou a importância do investimento em pesquisa. Para se ter uma ideia do que isso representa, o custo de colocação de uma planta transgênica no mercado é alto. As empresas públicas têm poucas condições de desenvolver tecnologias a um custo baixo, por isso precisam de parcerias com empresas privadas.

Tecnologia CRISPR

Os anos se passaram e desembarcamos na tecnologia CRISPR, que abriu as portas para a edição do genoma, o que pode democratizar o uso da biotecnologia na agricultura.

Em sua palestra, Nepomuceno também abordou temas que demandam de muitas discussões, como a propriedade intelectual da tecnologia CRISPR. Finalizou dizendo que o Brasil não pode deixar de se posicionar melhor neste mercado com o risco de ficar “trocando ouro por espelhos”.

O evento prossegue hoje (14) com vasta programação de palestras, incluindo painéis, visita ao showroom tecnológico e sessão pôsteres.

ARTIGOS RELACIONADOS

Banco Mundial de Sementes guarda uma das maiores riquezas da humanidade 

O XXI CBSementes será de 12 a 15 de setembro em Curitiba

Mulching reduz doenças na melancia

Na década de 70, praticamente não semeávamos sementes de melancia. Quando chegava ....

Encontro Nacional de Produtores de Sementes de Soja reúne lideranças em Foz do Iguaçu

No ENSSOJA 2024 são esperados mais de 300 convidados que participarão do evento realizado pela ABRASS nos dias 23 e 24 de maio.

ISLA participa do 2º Campo Acelerador de Inverno

O principal destaque da marca no evento será a Beterraba Merlot.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!