14.9 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesBrasil tem desafios para vencer na qualidade e sanidade de sementes

Brasil tem desafios para vencer na qualidade e sanidade de sementes

Divulgação

O XV Simpósio Brasileiro de Patologia de Sementes, que aconteceu em Curitiba, como parte do XXI Congresso Brasileiro de Sementes (CBSementes), debateu a necessidade da criação de um grupo para discutir demandas do setor. Na programação, palestras sobre a importância da sanidade nos mercados nacional e internacional; ganhos, desafios e impactos da qualidade de semente na produtividade.

A realização do CBSementes foi da Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (Abrates), que registrou recorde de participação, com 1.200 inscritos. O simpósio foi aberto pelo presidente desta edição do CBSementes, Fernando Henning, doutor da Embrapa Soja; e pela doutora Ellen Barrocas, da Indigo Agriculture, que coordenou o encontro.

Um dos destaques do evento foi o pré-lançamento do livro “Patologia de Sementes – A Ciência Básica”, com a participação de cerca de 50 coautores. A obra deve ser lançada em um futuro Simpósio de Patologia de Sementes, no ano que vem, mas ainda não tem data marcada. De acordo com Ellen, o livro estará disponível, gratuitamente na internet, para consulta de produtores e pesquisadores ou quem tiver interesse, mas também como um material didático. “Os autores têm uma bagagem grande na parte de sanidade de sementes. Muitos deles estão se aposentando, saindo do mercado. O objetivo é que deixem todo esse conhecimento registrado”, destacou Ellen.

No simpósio foram levantadas algumas preocupações, como doenças que já estavam erradicadas e que estão sendo registradas.
“Há uma alteração do cenário. Primeiro é que se criou uma falsa impressão, que o tratamento de sementes resolveria toda a situação. Essa falsa ideia é que cria esse problema. Talvez, o produtor está fazendo o tratamento de sementes errado, porque não faz análise da sanidade e, se não fizer isso, só o tratamento básico não vai corresponder”, comentou a coordenadora do simpósio. Ellen também apresentou a palestra “Ganhos e desafios do tratamento biológico de sementes”.

A programação teve ainda o chefe da Divisão de Controle de Pragas, do Ministério da Agricultura e do Abastecimento (Mapa), o doutor Ricardo Hilman, que apresentou a palestra “Importância da sanidade no comércio nacional e internacional de sementes”. Hillman destacou que a qualidade é fundamental no comércio de sementes.

“Trabalhamos para que tudo seja feito para garantir que a semente importada chegue ao Brasil com toda qualidade e segurança. O rigor com que trabalhamos a semente que vem do exterior é muito maior porque queremos evitar a entrada de novos patógenos, que ainda não existam aqui e que possam causar muitos impactos na agricultura brasileira” asseverou Hillman.

O chefe da Divisão de Controle destacou que há desafios que precisam ser superados, com ações conjuntas pelo Mapa, produtores, pesquisa, extensão e assistência técnica.
“Cada dia que passa, patógenos que não eram problema estão virando problema ao criarem resistência. Esse é um desafio para que tenhamos capacidade de resolver juntos. Nada melhor do que um congresso como esse, que congrega tanto conhecimento para discutir esses desafios e, mais do que isso, tirarmos encaminhamentos de como a gente pode conduzir esses problemas”, afirmou Hilman.

Participou também como palestrante, o professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), o doutor José Mentem, com a palestra “Como a sanidade de sementes impacta a produtividade nos cultivos agrícolas no Brasil”.

Divulgação

Depois das palestras, houve um debate com o tema “Desafios da sanidade de sementes no Brasil”, coordenado pela doutora Norimar Denardin, do Centro de Biotecnologia na Agricultura (CebtecAgro).

O debate contou com as participações do doutor José Maurício Pereira, auditor fiscal do Mapa; doutor José Machado, professor de Patologia de Sementes (UFLA); doutora Maria de Fátima Zoratto (MF Zoratto Consultoria); doutora Evelyn Araújo Koch (Conqualy Consultoria para Laboratórios – USF), e o doutor João Nunes (Consultor Momesso).

José Maurício Pereira levantou várias questões em relação à legislação. “Entres os pontos da legislação que a gente precisa avançar são os padrões sanitários de sementes. Estamos recebendo muitas normas do Mapa. É um momento muito interessante da sociedade se unir ao ministério para a gente poder rever essas legislações de forma mais pontual e bem mais eficiente. Acredito que é necessário priorizar as pragas mais importantes para que possamos credenciar laboratórios específicos e poder direcionar treinamentos”, avaliou Pereira.

ARTIGOS RELACIONADOS

Femec 2023: a feira do agronegócio mineiro

A principal feira de máquinas agrícolas de Minas Gerais será realizada de 21 a 24 de março em Uberlândia e estima um volume de negócios superior a 1 bilhão

Autoridades do agro participam do Congresso da ABAG

Evento acontece na segunda-feira (07), em formato híbrido. As inscrições para participar tanto no modo presencial como no virtual podem ser feitas pelo site oficial.

Lagartas de manejo complexo é pauta na Agrotins

Agrotins e Agrobalsas reúnem pesquisadores, indústria de máquinas e equipamentos e empresas de inovação, como a AgBiTech Brasil

Segurança alimentar e a importância da agricultura orgânica

As perspectivas da agricultura para estes novos tempos que se apresentam, aliando segurança ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!