27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFlorestasCorreto manejo nutricional da seringueira

Correto manejo nutricional da seringueira

José Geraldo Mageste

Engenheiro florestal, Ph.De professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/ICIAG)

jgmageste@ufu.br

Fernando Simoni Bacilieri

Doutorando em Agronomia “UFU

ferbarcilieri@hotmail.com

Lisias Coelho

Engenheiro florestal, Ph.De professor – UFU/ICIAG

lisias@ufu.br

Vinicius Evangelista da Silva

Eldorado Brasil Celulose e Papel ” Três Lagoas – MS

vinicius.silva@eldoradobrasil.com.br

Crédito José Fernando Canuto

No Brasil, infelizmente, criou-se a mentalidade de que árvores nascem e crescem em qualquer lugar, principalmente “sites“ de qualidade inferior (Site index = é um índice que reflete a soma de todos os parâmetros que influenciam a produtividade botânica de determinado local).

Isto não é verdadeiro – árvores possuem exigências nutricionais como qualquer outro vegetal e precisam destes, pois, sendo perenes, sempre estão crescendo, principalmente nas nossas condições tropicais.

 

Heveicultura

A seringueira é uma planta tipicamente tropical, de origem amazônica, e precisa de todos os nutrientes, tanto macro como micros, sendo que cada um, à sua maneira, desempenha papel fundamental no desenvolvimento da planta e na produção de látex.

A produção de borracha fora da região equatorial está ligada à necessidade de se evitar a ocorrência de forma epidêmica de uma doença chamada “mal das folhas“. Mas, isto implicou em estudar e difundir conhecimentos básicos sobre nutrição do seringal, para ajudar o manejo nutricional mais adequado, proporcionando melhor crescimento e maiores produtividades.

 

Correto manejo nutricional da seringueira

 

O melhor manejo nutricional para os seringais se inicia na produção de mudas mais vigorosas e bem nutridas, passa pelo momento da implantação/instalação do seringal, com boa adubação fosfatada no fundo da cova para ajudar a aprofundar o sistema radicular e “não morrer de sede“ durante os veranicos, até chegar em boas adubações de arranque na fase de crescimento e, posteriormente, na compensação daqueles nutrientes exportados na colheita do látex, nas chamadas adubações de manutenções.

Na fase de implantação, não se pode abrir mão da calagem. A correção do solo é um dos requisitos básicos para uma maior produtividade de todas as culturas florestais. A calagem pode ser realizada em qualquer época do ano, mas a eficiência do corretivo de acidez é maior quando aplicado com antecedência para que possa reagir com o solo e, dessa forma, proporcionar os benefícios esperados.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro/dezembro  de 2018 da Revista Campo & Negócios Floresta. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fazenda Três Meninas conquista 1º lugar no Prêmio Planeta Campo 2023

Localizada em Monte Carmelo, a fazenda é propriedade do casal Paula e Marcelo Urtado, um dos embaixadores da Região do Cerrado Mineiro.

Plantação de morango é destaque no Norte de Minas

Apesar do tempo seco, a região está se desenvolvendo bem e os resultados já são positivos   É comum ver o cultivo de morangos nas regiões...

Depois das lagartas, lá vêm os percevejos

  José Fernando Jurca Grigolli MSc., doutorando em Agronomia, pesquisador da Fundação MS e membro do Núcleo de Estudos em Manejo Integrado de Pragas de Cultivos...

Caixas plásticas x caixas de madeira – Qual escolher?

Logo no começo da conversa sobre embalagens para hortifrutigranjeiros, José Maria da Silva Filho, técnico da Ceasa Minas, deixa claro que as caixas de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!