24.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosEspécies alternativas potenciais para produção florestal

Espécies alternativas potenciais para produção florestal

Descubra as espécies alternativas promissoras para a produção florestal e explore novas oportunidades no setor.

O setor florestal move bilhões de dólares anualmente no mundo e o Brasil é um dos principais players nesse mercado, destacando-se tanto pelos seus plantios de espécies exóticas de ciclo curto como pinus e eucalipto (contando com programas de melhoramento genético e práticas silviculturais avançadas), como pelas suas espécies nativas e muito apreciadas no mercado madeireiro internacional.

O mogno está entre as espécies exóticas mais promissoras
Crédito: Everton Regatieri

Neste mercado já existem grupos de espécies nativas brasileiras bem estabelecidas e com demanda contínua provenientes principalmente das florestas naturais. Outras espécies exóticas, como o mogno africano, a teca e a acácia são também destaques na produção de madeira e produtos não madeireiros.

Espécies alternativas

Devido à intensidade histórica de extração de florestas nativas e da saturação do mercado, a busca de espécies alternativas se mostra necessária para atender à crescente demanda por madeiras, tanto em qualidade como em quantidade, algo que os poucos plantios de nativas já implantados não atendem plenamente.

Mesmo incipientes, esses plantios possuem grande potencial, e necessitam de mais investimentos e estudos.

Vantagens

A introdução de novas espécies e a consequente diversificação dos plantios florestais pode contribuir de maneira significativa para o aumento do fornecimento de madeira de maneira mais estável.

Ao mesmo tempo, essa diversificação das espécies cultivadas pode melhorar a resiliência e a produtividade do sistema enquanto promove a biodiversidade e conserva os recursos naturais.

Diferentes espécies têm variadas necessidades nutricionais, bem como ciclos de crescimento, exigências hídricas e interações com o solo, o que pode resultar na utilização mais eficiente dos recursos disponíveis, quando em consórcio, assim como uma maior produtividade ao longo do tempo, potencialmente prolongando a temporada de produção.

Diferentes espécies podem extrair nutrientes em camadas distintas do solo, evitando a perda dos elementos após a fertilização, enquanto outras espécies podem fixar nutrientes, como o nitrogênio, melhorando a fertilidade do solo para outras culturas, algo com eficácia comprovada na implantação de consórcios.

Por exemplo, já é reportado o sucesso do consórcio entre espécies da família das leguminosas (Fabaceae, como angico e paricá) e espécies de Meliaceae que obtiveram maior produtividade e ciclagem de nutrientes adequados.

Somado a isso, as diferentes características das plantas, como sistemas radiculares profundos, folhas largas ou cobertura do solo, ajudam a reduzir a erosão do solo, protegendo-o contra a perda de nutrientes e a compactação.

Por último, cultivar uma variedade de espécies, especialmente locais, contribui para a conservação da diversidade genética, o que é fundamental para garantir que as espécies e variedades adaptadas às condições locais estejam disponíveis para futuras gerações, contribuindo para a segurança alimentar e a resiliência dos sistemas agrícolas.

Mudas de teca
Crédito: TRC 

Identificação e avaliação de espécies alternativas

O primeiro passo para a inserção de novas espécies é a identificação e avaliação dessas espécies potenciais de maneira criteriosa e multidisciplinar. Deve-se considerar a adaptabilidade ambiental, ou seja, a tolerância a variações de temperatura, precipitação, umidade e altitude, assim como a resistência a pragas e doenças, o que reduz a necessidade de aplicação de pesticidas e minimiza os riscos associados a surtos de doenças.

Também é necessário analisar a tolerância à competição e capacidade de regeneração, taxa de crescimento e rendimento, visando maximizar a produtividade da área de cultivo e reduzir o tempo necessário para a colheita, a qualidade da madeira (resistência, durabilidade, densidade e outras características desejáveis) e produtos não madeireiros (frutas, óleos essenciais, resinas).

É imprescindível a realização de estudos sobre a viabilidade econômica (avaliar os custos de estabelecimento e manutenção, o potencial de mercado para os produtos produzidos e a rentabilidade geral do empreendimento), impactos ambientais (considerações sobre o potencial de invasão, alterações nos ecossistemas nativos, efeitos sobre a biodiversidade, água e solo) e sociais (incluindo, aqui, impactos nas comunidades locais e culturas tradicionais, geração de emprego, difusão de conhecimentos tradicionais e tantos outros) em diferentes escalas.

Portanto, nestes estudos é de suma importância a participação de especialistas e a valorização de conhecimentos tradicionais locais para garantir que as decisões sejam feitas de maneira informada e sustentáveis a longo prazo.

Além disso, é indispensável o conhecimento a respeito de aspectos como condições edafoclimáticas (destacando-se aqui o zoneamento ambiental) e práticas silviculturais ótimas para seu desenvolvimento, assim como os materiais genéticos disponíveis.

Adaptação a condições climáticas

A realização do zoneamento edafoclimático objetiva identificar faixas de temperatura, pluviosidade, umidade e condições de solo ótimas para o melhor desenvolvimento dos indivíduos.

Essa prática é indispensável para determinar a compatibilidade entre as espécies de interesse e o ambiente a ser implementado, caracterizando e delimitando as regiões com maior ou menor aptidão para o desenvolvimento ótimo da espécie.

É uma ferramenta essencial para um cultivo bem planejado e executado, priorizando a utilização racional dos recursos naturais disponíveis e a otimização de investimentos, especialmente no tocante à correção e fertilização do solo, e irrigação.

Benefícios associados à produção florestal

A introdução de espécies alternativas na produção florestal proporciona benefícios significativos, contribuindo para a diversificação e a sustentabilidade dos sistemas florestais, como melhoria na capacidade de fornecer serviços ecossistêmicos essenciais, regulação do ciclo hidrológico, sequestro de carbono e proteção do solo.

Ademais, a introdução de novas espécies pode aumentar a diversidade genética nos ecossistemas, reduzir o risco de perda genética e fortalecer a capacidade de adaptação das florestas às futuras mudanças ambientais.

Por exemplo, essas espécies podem ser mais adaptáveis a diversas condições, o que ajuda a aumentar a resiliência dos ecossistemas florestais a variações climáticas. Por exemplo, é interessante analisar as espécies não convencionais em sua área de ocorrência natural para compreender melhor as condições ótimas de seu desenvolvimento e garantir o sucesso de seu potencial em um plantio florestal (por exemplo, araucária e cambará no sul do Brasil).

Diversificação

Ao diversificar as espécies cultivadas, os agricultores reduzem o risco de perdas em razão de pragas ou doenças que afetam especificamente ou possuem preferência por uma determinada espécie.

Se em um plantio uma espécie for mais suscetível que a outra, a primeira atuará como uma barreira para o controle de uma praga ou doença, assim como outras espécies podem ser menos suscetíveis, auxiliando na manutenção da produtividade global da área.

Este tipo de arranjo auxilia no controle de pragas, como o consórcio entre Toona ciliata e Swietenia macrophylla para o controle de Hypsipyla grandella, algo que diminui os gastos com defensivos agrícolas, o que, por sua vez, reduz o impacto negativo no ambiente.

Este consórcio influenciará enormemente no sucesso do plantio e beneficiará a flora e a fauna locais, ao fornecer habitats e alimentos para uma ampla gama de organismos, promovendo a saúde e a resiliência do ecossistema como um todo.

A Acácia mangium é destaque na produção de madeira
Crédito Flávio Pereira

A possibilidade de diversificação econômica através de um policultivo pode expandir as opções de produtos madeireiros e não madeireiros, além de proporcionar oportunidades adicionais de renda para os proprietários de terras e comunidades locais.

Somado a isso, os produtos provenientes desse tipo de floresta podem possuir melhor qualidade em comparação com plantios homogêneos, visto que a aplicação de técnicas de melhoramento genético e de silvicultura possibilitam manejar de forma mais eficiente o produto final, resultando em madeira com menor quantidade de defeitos e com características atrativas para o mercado.

Portanto, a introdução de espécies alternativas na produção florestal tem o potencial de trazer renovação e inovação ao mercado, alterar padrões de consumo, descentralizar a produção e diversificar sua oferta e as possibilidades de investimento.

Este cenário estimula o avanço da ciência, ao pesquisar espécies menos tradicionais, investir em seu melhoramento genético, expandindo a literatura a seu respeito e com a possibilidade da descoberta de novos compostos e mecanismos.

Ademais, incentiva a inovação em processos e desenvolvimento de produtos, especialmente no tocante a espécies de uso múltiplo, estimulando, principalmente, mas não unicamente o setor florestal, podendo inclusive impactar no aproveitamento de áreas sem destinação.

Demandas

A introdução de variedades menos convencionais na produção florestal descentralizaria as demandas dos segmentos de mercado com padrões de qualidade e espécies bem estabelecidas, pulverizando a oferta que antes estava majoritariamente focada em uma determinada espécie ou grupo de espécies.

Portanto, a diversificação, tanto das espécies como dos produtos delas provenientes, reduziriam a pressão em espécies já tradicionalmente bem estabelecidas e intensivamente exploradas, ao diminuir a dependência de algumas espécies específicas para fornecer determinados produtos, distribuindo a pressão de colheita entre uma variedade de recursos.

Preocupações

A adoção de espécies alternativas na produção florestal pode apresentar desafios e preocupações que precisam ser cuidadosamente considerados. Os desafios para sua implantação são:

– Tradicionalismo e resistência, especialmente dos pequenos produtores, à adoção de novas tecnologias;

– Tempo de retorno, principalmente no componente florestal, que é de médio a longo prazo, o que dificulta a adoção em casos de recursos financeiros mais limitados por parte do produtor;

– Por ser um sistema produtivo complexo, acarreta mais riscos, especialmente ao componente agrícola;

– Ademais, há resistência do mercado consumidor para a aceitação de novas espécies e produtos.

Os dois lados da moeda

Existe, ainda, a possibilidade de espécies exóticas se tornarem invasoras (competição e riscos às espécies nativas), acarretando possível alteração do equilíbrio ecológico, ao afetar a dinâmica ecossistêmica, resultando em mudanças imprevisíveis na estrutura e função do ecossistema e na perda de diversidade genética e resiliência a longo prazo (substituição ou diminuição das espécies nativas por invasoras).

Somam-se a isso os desafios de gestão, como a exigência de novas práticas de manejo e monitoramento para garantir o cultivo de maneira sustentável e evitar impactos adversos, além de interações imprevisíveis, conjunto que pode aumentar a complexidade e os custos da gestão florestal.

Esta problemática está profundamente vinculada à falta de informações detalhadas sobre as características ecológicas, comportamentais e de manejo de espécies alternativas, o que pode dificultar a tomada de decisões informadas e a implementação de práticas adequadas.

Destacamos, também, a possibilidade de impactos socioeconômicos negativos, especialmente em comunidades que dependem das espécies tradicionais para sua subsistência, sendo importante considerar os efeitos sobre o emprego, a cultura e os sistemas de conhecimento tradicionais das comunidades locais.

Monitoramento é essencial

De forma geral, é importante realizar avaliações cuidadosas dos potenciais impactos ecológicos, sociais e econômicos antes de introduzir espécies alternativas, garantindo que essas mudanças sejam feitas de maneira sustentável, responsável, bem fundamentada e gradual, levando em consideração as características específicas do ecossistema e as necessidades das comunidades locais.

A diversificação de espécies, quando realizada de maneira criteriosa e bem planejada, contribui para a diminuição da pressão sobre florestas nativas, reaproveitamento de terras degradadas, proteção do solo e da água, sequestro e estocagem de carbono, promoção de interações ecológicas benéficas, como facilitação mútua, compartilhamento de recursos e proteção contra predadores, especialmente quando em consórcio.

Essas interações podem aumentar a produtividade e a saúde geral do ecossistema florestal, criando um ambiente mais resiliente e sustentável (Figura 1).

Figura 1. Diversificação das espécies cultivadas e seus desafios para sustentabilidade dos ecossistemas florestais
Fonte: as autoras.
ARTIGOS RELACIONADOS

Setor florestal se mobiliza para suprir déficit de mão de obra

Se por um lado o setor cresce exponencialmente, a mão de obra disponível não segue a mesma linha.

Motosserras na colheita e exploração florestal

A produção de madeira serrada no Brasil tem tido grande destaque nos últimos anos, com contribuição significativa do setor florestal na economia nacional nos últimos anos.

Gestão de riscos da produção florestal

A produção florestal é uma atividade econômica importante no país, mas passa por diversos riscos que requerem uma gestão.

Espécies alternativas potenciais para produção florestal

Por serem espécies exóticas, elas recebem maiores investimentos, pois não demandam registros e controles adicionais nos órgãos ambientais, e proporcionam maior segurança jurídica aos produtores e investidores

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!