29.4 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesNovo sistema de cultivo de erva-mate pode produzir mais

Novo sistema de cultivo de erva-mate pode produzir mais

A Cevad-estufa permite alocar mais de 300.000 pés de erva-mate em um hectare, enquanto o sistema tradicional de produção no campo coloca em torno de 2.200 pés/ha. Estudos mostram que seu rendimento pode chegar a 90 toneladas por hectare em um ano.

Foto Embrapa

Um novo sistema de cultivo de erva-mate desenvolvido pela Embrapa Florestas permite até 10 safras em 18 meses, ou seja, nove safras a mais sobre a tradicionalmente obtida com a cultura no mesmo período.
Batizada de Cevad-estufa, uma versão do sistema Cevad para estufas, ela também tem potencial para desenvolver novos produtos, principalmente diferentes tipos de chá-mate feitos a partir de folhas novas, já que as plantas são cultivadas como pequenos arbustos em calhas dentro das estufas.
O sistema ainda precisa ser validado com os agricultores, mas os resultados são promissores e podem contribuir para elevar a erva-mate a um patamar superior no mercado de chás e outros produtos de maior valor agregado, além de ampliar sua comercialização no Brasil e no mundo.

Como funciona

Segundo o pesquisador Ivar Wendling, o Cevad-estufa tem como objetivo colher as folhas jovens e não maduras, que são tradicionalmente utilizadas para produzir a bebida parecida com o chá servido em cabaças, chamada chimarrão.
Assim como o chá preto, o chá verde e o chá branco são feitos a partir das folhas da Camellia sinensis, que requerem processos diferentes, será possível processar de forma semelhante as folhas da erva-mate (Ilex paraguariensis) e gerar chás com sabores distintos e maiores concentrações de cafeína e antioxidantes.
Isso também pode ser potencializado com o uso de cultivares melhoradas de erva-mate, que devem ser lançadas pela Embrapa Florestas nos próximos três anos.

Alta produtividade e velocidade de produção

No Cevad-estufa, as árvores são colocadas em estufa, dispostas em filas, em canteiros suspensos contendo areia devidamente preparada para o efeito. O espaçamento entre elas é de 15 cm x 15 cm, e as plantas atingem de 15 cm a 30 cm de altura.
A cada 30 a 90 dias, novos brotos crescem e podem ser colhidos para o preparo de chás ou para a extração de compostos como cafeína e antioxidantes, por exemplo, encontrados em maior concentração nas folhas jovens.
O novo sistema permite alocar mais de 300.000 pés de erva-mate em um hectare, enquanto o sistema tradicional de produção no campo coloca cerca de 2.200 pés por hectare.
Além disso, o Cevad-estufa proporciona até 10 safras no período de 18 meses, começando logo após o plantio das árvores, enquanto no sistema tradicional de produção no campo é feita apenas uma safra no mesmo período.
“A cada 60 dias, em média, é possível colher novos brotos e folhas. Os resultados mostraram que é possível produzir até 90 toneladas de biomassa por hectare por ano no novo sistema, enquanto a produtividade média brasileira de erva-mate é de 7,5 toneladas por ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)”, afirma o pesquisador.
“Não são tipos de plantio que competem entre si. Cada um tem um objetivo e diferentes tipos de manejo”, diz Wendling.

Custos de implantação

A adoção do Cevad-estufa, que difere totalmente do cultivo no campo, demandará maiores custos para implantação, pois envolve investimentos em casa de vegetação, calhas, aquisição de grande quantidade de mudas, assistência técnica e mão de obra especializada para o manejo, bem como como fertilizantes para nutrição adequada.
“Apesar do custo inicial, o sistema oferece grande potencial não só de produtividade, mas também de geração de matéria-prima diferenciada. Com essas vantagens, espera-se que o investimento da implantação seja pago ao longo do tempo e gere bons retornos econômicos”, afirma o pesquisador. “Além disso, tem maior potencial de automação”, complementa.

Avaliação do rendimento

As pesquisas que subsidiaram a viabilidade do cultivo da Cevad-estufa incluíram uma dissertação de mestrado da aluna Natália Aguiar e duas teses de doutorado dos alunos Jéssica Tomasi e Leandro Marcolino Vieira, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), todos realizados na Embrapa Florestas.
Segundo Aguiar, o objetivo do estudo foi utilizar esse sistema de produção de biomassa de erva-mate para fins industriais e avaliar a influência do sombreamento e do clone de erva-mate não só na produção de folhas maduras e jovens em safras sucessivas, mas também sobre sua composição química.
“Os resultados mostraram que o sistema é tecnicamente viável para o cultivo de erva-mate, com alto rendimento de biomassa quando comparado aos sistemas tradicionais de cultivo a campo, com destaque para a grande produção de folhas jovens”, acrescenta.
A mestranda avaliou dois genótipos de erva-mate (um com alto e outro com baixo teor de cafeína) que estão sendo desenvolvidos pela Embrapa Florestas, em cinco diferentes níveis de sombreamento (0% – sem sombreamento, 40%, 51%, 76% e 82%) em casa de vegetação, ao longo de um ano.
“Esse estudo com clones de erva-mate esclareceu dúvidas relacionadas aos efeitos do sombreamento na produção de biomassa e compostos bioativos. Todos os níveis de sombreamento reduziram o rendimento da erva-mate, e não recomendamos acima de 76% de sombreamento no cultivo da espécie neste sistema, pois reduziu em mais de três vezes a produção de biomassa”, relata.
Ela acrescenta que “o sombreamento também teve influência nos teores dos compostos analisados, como maior teor de cafeína sob maiores níveis de sombreamento. Entretanto, a baixa produção de folhas nessas condições não compensa a adoção do sombreamento. A diferença entre os clones também pode ser observada no rendimento de massa foliar e nos teores de compostos bioativos, o que indica a importância da seleção de materiais genéticos para cada finalidade industrial”, diz Aguiar

Produção no sistema e caracterização química

O doutorado de Jéssica Tomasi avaliou a produção de biomassa ao longo de um ano e a composição de compostos bioativos a partir de diferentes clones e dosagens de nitrogênio em sua solução nutritiva.
Os resultados de produtividade apresentaram pouca oscilação ao longo de seis safras no ano, confirmando o potencial do sistema em termos de produção contínua e variação entre genótipos.
Tomasi também concluiu que há influência da sazonalidade no conteúdo de compostos bioativos como a cafeína e diferentes tipos de antioxidantes.
Outro estudo sobre Cevad-estufa, conduzido pelo doutorando Leandro Vieira, analisou aspectos relacionados ao enraizamento de miniporta-enxertos e produção de matéria fresca de erva-mate.
A composição química de 15 clones também foi avaliada quanto aos teores de cafeína, teobromina, compostos fenólicos, açúcares e proteínas totais. Constatou-se que, em geral, os genótipos de erva-mate apresentam características específicas quanto à composição química, rendimento, potencial de propagação, necessidade do uso de reguladores vegetais, sazonalidade, intervalo entre colheitas, entre outros aspectos, o que demonstra como as cultivares estudadas podem atender de forma viável nichos de mercado para produtos específicos.
“A produção de matéria fresca no novo sistema se mostrou inédita e resultados inéditos podem se tornar um sistema de cultivo voltado para a produção de matéria-prima para a indústria da erva-mate”, afirma Vieira.
Além disso, dois genótipos se destacaram pelos altos teores de compostos fenólicos totais, proteínas, cafeína e alta atividade antioxidante. Outro genótipo apresentou alta produção de matéria fresca no cultivo Cevad-estufa, o que permitiu a produtividade anual de 96,16 toneladas por hectare, segundo o estudo.
“Genótipos altamente produtivos e com características químicas diferenciadas podem resultar em produtos que despertam grande interesse da indústria da erva-mate. Assim, o conhecimento das características de cada genótipo quanto às exigências nutricionais, cultivo, poda, propagação, entre outros fatores, tem o potencial de aumentar a eficiência na multiplicação e cultivo da erva-mate”, afirma o doutorando.

Vantagens das folhas jovens

Os chás obtidos da Camellia sinensis são amplamente consumidos em todo o mundo, um interesse que também é impulsionado por suas propriedades antioxidantes. As variedades de chá (chá branco, verde, preto, amarelo e oolong) correspondem ao processamento de partes específicas da planta.
Por exemplo, o chá branco é feito de brotos recém-crescidos, enquanto o chá verde é feito de folhas novas. O chá preto passa por um processo de oxidação antes de secar.
Esses chás são muito valorizados no mercado brasileiro e os mais baratos podem custar ao consumidor final cerca de US$ 29 o quilo. Várias marcas já vendem misturas de chá com erva-mate; entretanto, utilizam folhas maduras, que em sua maioria provêm do processo tradicional de produção e beneficiamento da erva-mate.
Segundo Wendling, dada a alta produtividade e a possibilidade de gerar outros produtos com as folhas jovens da erva-mate, há a expectativa de que essa matéria-prima, principalmente os brotos, também tenha mais valor quando comparada à erva-mate tradicional.
“Principalmente se considerarmos que folhas e brotos mais jovens contêm maiores concentrações de cafeína e compostos antioxidantes, benéficos à saúde humana”, destaca o pesquisador.

Cevad-estufa pode resultar em cápsulas antioxidantes

Estudos apontam para a existência de cerca de 200 compostos químicos nas folhas de erva-mate, muitos dos quais potencialmente bioativos. Com este novo sistema de produção, além de chás especiais, é possível extrair compostos para a produção de cosméticos, suplementos alimentares e fármacos para diversas finalidades.
Uma das opções são as cápsulas ou sachês com pó de extrato de erva-mate, que oferecem importante efeito antioxidante. Outra linha de produtos são os estimulantes, devido à alta qualidade e concentração de cafeína nas folhas jovens de erva-mate de materiais genéticos melhorados.
“Até onde sabemos, ainda não existem cápsulas diferenciadas disponíveis no mercado, nem cafeína e antioxidantes extraídos da erva-mate em escala comercial, o que torna esses estudos muito promissores”, ressalta Wendling.

ARTIGOS RELACIONADOS

Custos de produção agropecuária caem 6%

Os custos de produção de suínos e de frangos de corte sofreram uma queda significativa, superando os 6%, trazendo alívio para os produtores do setor.

Suplementação nutricional ajuda na produção de ovos

A suplementação nutricional é essencial para potencializar a produção de ovos e garantir a saúde das aves.

Citricultura terá mapeamento de estoques de carbono

Pesquisa inédita estimará os estoques de carbono em mais de 600 mil hectares de pomares de citros e de vegetação nativa em propriedades brasileiras.

Tecnologia ao alcance das mãos do produtor

Famato Embrapa Show exibe equipamentos, dispositivos, aplicativos e sistemas informatizados para o agro de Mato Grosso a partir de 22 de junho em Cuiabá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!