26.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosQual variedade de cenoura plantar?

Qual variedade de cenoura plantar?

Neste ano a Embrapa lançou o primeiro híbrido de cenoura, indicado para o verão, desenvolvido por empresa pública, no Brasil, a BRS Carmela.

Laércio Boratto de Paula
Engenheiro agrônomo, doutor em Fitotecnia e professor – IF Sudeste MG, campus Barbacena
laercio.boratto@ifsudestemg.edu.br

As opções de plantio no inverno, época tradicionalmente mais propícia ao cultivo de cenoura no Brasil, são bem variadas. Existem cultivares e híbridos que atenderão muito bem este período específico de plantio.

A escolha de uma cultivar ou de um híbrido irá depender do sistema de produção adotado. Híbridos têm maior potencial produtivo, são mais estáveis em termos de qualidade e padronização. Porém, exigem tratos culturais mais refinados, um investimento maior.

Já as cultivares são menos exigentes em termos de tratos. Contudo, têm um menor potencial produtivo e são menos uniformes, em se tratando do produto final, a raiz.

Entre as cultivares indicadas estão aquelas do grupo Nantes (cultivar lançada no século retrasado), ainda hoje um padrão em termos de qualidade, a Forto, mais usada no Sul do Brasil, e outras menos conhecidas, como Esperanza, Ferracini e Tamires.

No Brasil, temos duas safras de cenoura, a de inverno e a de verão
Crédito: Shutterstock

Já entre os híbridos, entre outros, podem-se citar: Maestro, Melissa, Tellus, Belgrado, Concerto, Romance e Baltimore.

É possível plantar cenoura em outras épocas do ano?

Sim, é possível. No Brasil, temos duas safras distintas de cenoura, a de inverno e a de verão. Ao longo dos anos, foram lançadas cultivares e híbridos que permitem o cultivo desta hortaliça em diferentes estações.

A cenoura é um dos maiores exemplos de sucesso no programa de melhoramento vegetal. Mesmo sendo uma cultura de clima ameno, desenvolveu-se, com êxito, cultivares e híbridos que se adaptam também a um clima mais quente. Assim, estão disponíveis no mercado opções que se encaixam em climas mais amenos ou mais quentes.

A época em que se encontra maior dificuldade de se fazer o semeio são os meses de transição entre as estações, como agosto, por exemplo.

A título de curiosidade, neste ano a Embrapa lançou o primeiro híbrido de cenoura, indicado para o verão, desenvolvido por empresa pública, no Brasil, a BRS Carmela.

Condições de clima e solo

De maneira geral, como já foi dito e sabido, a condição em que a cenoura está mais adaptada é de um clima ameno. Entre os fatores climáticos, o que mais afeta a cultura, sem dúvida, é a temperatura. O ideal é que esta varie entre 15 a 24°C.

Temperaturas mais altas desfavorecem a formação do pigmento alaranjado, que é característico desta hortaliça. A saber, existem dois tipos de cenoura: a asiática, que não é comum no Brasil, e a europeia ou ocidental, que é plantada por aqui.

No caso da cenoura ocidental, a coloração mais comum é a alaranjada, e o pigmento que propicia esta cor deriva, especialmente, de um carotenoide chamado betacaroteno, que é o precursor da vitamina A. Quanto mais colorida for a cenoura, melhor será sua qualidade nutricional.

Raízes mais compridas

Já temperaturas mais baixas induzem a formação de raízes mais compridas e finas. Outras condições da planta também sofrem interferência da temperatura, como a indução ao florescimento e a incidência de patógenos.

Outra variável climática que costuma interferir bastante na produção é a luminosidade. Embora, de maneira geral, fotoperíodos maiores costumem resultar em produtividades maiores, no caso de plantas com a fisiologia da cenoura (plantas C3) esta relação não é direta.

Neste caso, e pensando apenas na sua fase vegetativa, que é o que de fato interessa ao produtor, a planta não apresenta maior sensibilidade. 

Solo

Já com relação ao tipo de solo ideal, deve ser de textura média, bem drenado, profundo e com bons teores de matéria orgânica. A cenoura não tolera solos com pH baixo e deficiente em nutrientes.

Há que se destacar o fato de que a parte comercial da cenoura, sendo uma raiz, precisa de um solo leve, que favoreça a formação de uma raiz lisa. Solos muito argilosos e compactados podem prejudicar o formato da raiz, ocasionando maior incidência de defeitos (como bifurcações, por exemplo) que prejudicam sua comercialização.

Cuidados no cultivo da cenoura

A produtividade de qualquer cultura é dependente de vários fatores. No cultivo de cenoura, podemos elencar alguns:

– Escolha de uma cultivar ou híbrido mais adaptado às condições locais de clima e solo;

– Uso de semente de qualidade;

– Bom preparo do solo, já que a cenoura será semeada diretamente no solo e terá sua parte comercial desenvolvida sob ele;

– Boa calagem, baseada em análise de solo prévia (lembrando que a cenoura é bastante sensível a solo ácido);

– Boa adubação orgânica, de forma a manter a capacidade produtiva do solo;

– Adubação mineral equilibrada que atenda, efetivamente, a demanda nutricional da cultura e que esteja em conformidade com a expectativa de produtividade;

– Semeio adequado, de forma a garantir a população ideal de plantas;

– Execução de tratos culturais importantes, como o desbaste, por exemplo, que assegura o devido espaçamento entre plantas;

– Manejo correto de plantas invasoras, considerado um dos principais problemas da cultura;

– Manejo adequado de pragas e doenças, que devem ser constantemente monitoradas;

– Emprego de irrigação que atenda a demanda hídrica da cultura, aplicando água na quantidade e momento certos;

– Colheita que seja feita de forma criteriosa e cuidadosa, evitando possíveis injúrias mecânicas na raiz.  

Sementes adequadas

A escolha de uma boa semente é fator importante para obter uma boa produtividade. Não há dúvidas de que o sucesso do cultivo passa pelo uso de uma boa semente.

E qual seria a mais indicada? É importante que o produtor compre sempre de empresas idôneas, com credibilidade. Ademais, todo lote de sementes deve apresentar informações com relação ao seu poder germinativo e pureza, que devem ser as mais altas possíveis.

Crédito: Shutterstock

Sobre a data de validade, geralmente sementes mais novas são mais propícias ao semeio. Caso haja a possibilidade, deve-se verificar, também, o vigor das sementes. Este, porém, é um dado que não se obtém corriqueiramente, necessitando de análises laboratoriais complementares.

A semente, muitas vezes, receberá tratamentos que podem se tornar aliados no sucesso do semeio. Por exemplo, a peletização é uma prática que permite um semeio mecanizado, mais aprimorado, inclusive usando semeadoras pneumáticas.

Pode-se, também, adquirir sementes que tenham sido tratadas com fungicidas e/ou inseticidas, que permitirão um controle maior de patógenos e pragas na fase inicial de desenvolvimento. A escolha por sementes tratadas, ou não, dependerá da avaliação por parte dos responsáveis técnicos. 

Irrigação

Como em qualquer hortaliça, uma boa irrigação, baseada em critérios técnicos e atendendo as reais exigências da cultura, é fundamental. A escolha do método de irrigação mais adequado irá depender de avaliações técnicas/agronômicas.

O tipo de irrigação mais usado é por aspersão, seja com aspersores convencionais ou por pivô central. Irrigações localizadas, embora mais eficientes, são de implementação mais difícil, no caso da cenoura, dado o espaçamento reduzido.

De maneira geral, deve-se aplicar lâminas mais leves (de 2,0 a 4,0 mm) e frequentes (intervalos de um a dois dias) nas primeiras semanas após o semeio. Numa fase mais adiantada da cultura, normalmente após cerca de 30 dias após a sua emergência, aplicar lâminas maiores, em torno de 20 mm, em intervalos de quatro a cinco dias.

Ressalta-se, porém, que estes são valores gerais. O ideal é que se faça estudos mais aprimorados, que considerem as condições locais. A demanda hídrica da cultura, por ciclo de cultivo, gira em torno de 350 a 550 mm.

Cultivo orgânico

A corrente orgânica de produção faz parte de um modelo diferenciado de produção, que é a chamada agroecologia.

A opção pela produção orgânica tem aumentado nos últimos tempos, por ser um sistema que traz menos prejuízos ao ambiente, ao produtor e ao consumidor, permitindo a obtenção de produtos de melhor qualidade nutricional e com menos resíduos.

No cultivo orgânico são necessários ajustes, como a não utilização de agrotóxicos e fertilizantes minerais. Valorizam-se solos que tenham teores maiores de matéria orgânica, com uma maior biodiversidade.

Já no manejo fitossanitário são adotadas medidas preventivas, em que a biodiversidade tem papel fundamental. Estimula-se a ação de inimigos naturais e, eventualmente, práticas complementares, como extratos vegetais, caldas e biofertilizantes, com fins específicos.

Em 2020, a Embrapa lançou, no mercado, uma variedade indicada especificamente para cultivo em sistema orgânico, a BRS Paranoá.

ARTIGOS RELACIONADOS

Hazera – Comprometida e dedicada ao desenvolvimento de cebolas

A Hazera está comprometida com a melhoria contínua de seu portfólio de cebolas, combinado com conhecimento e demandas recebidas dos parceiros que atuam neste...

Fazendas modelo da “Capital do Espinafre“ atraem produtores brasileiros em tour no Texas (EUA)

Durante visitas, agricultores terão oportunidade de conhecer novas técnicas de cultivo em HF e grãos Sinônimo de desenvolvimento e inovação, os Estados Unidos estão entre...

KWS Sementes se destaca

A KWS Sementes se destacou novamente na vitrine de híbridos para silagem do Programa ...

Hortaliças pequenas e saborosas têm mais valor

Luis Felipe Villani Purquerio Pesquisador do Instituto Agronômico, Centro de Horticultura felipe@iac.sp.gov.br Paulo César Tavares de Melo Pesquisador da USP-ESALQ, Depto. Produção Vegetal pctmelo@esalq.usp.br   O mercado de hortaliças está sempre...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!